chat da radio gospel hits brasil

Filme: "Renúncia, Suas escolha definem seu futuro"

sábado, 17 de dezembro de 2011

No Congresso, oito propostas tentam proibir união estável entre gays

A pesquisa foi realizada pela Unicamp e apresentada durante um evento que aconteceu essa semana em Brasília.

No Congresso, oito propostas tentam proibir união estável entre gays

Dados divulgados na última sexta-feira, 16, pelo governo brasileiro apontam que há 97 propostas em andamento relacionadas aos direitos de homossexuais, sendo que destas, oito visam proibir a união entre pessoas do mesmo sexo.

A pesquisa foi realizada entre os anos de 1969 até novembro deste ano pelo Núcleo de Pesquisas de Gênero da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e apresentada durante a  2ª Conferência Nacional de Políticas Públicas e Direitos Humanos de LGBT, que aconteceu em Brasília.

Entre os projetos há alguns que pedem para que a relação entre homossexuais não seja considerada como entidade familiar, discurso defendido por integrantes das Frentes Parlamentares Católica, Evangélicas e Pró Família. Segundo a pesquisadora da Unicamp, Rosa Oliveira, o fundamentalismo religioso é o que tem barrado a maioria dessas propostas.

“Existe um paredão do fundamentalismo religioso no Congresso, que se sobressai ao estado laico”, afirmou que acredita que os parlamentares religiosos estão cercando e todos os lados e possuem a maioria no Legislativo.

De fato um dos representantes evangélicos, o deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) diz que o impasse no Congresso se dá sobre temas relacionados aos gays, pois as bancadas religiosas não aceitam reconhecer a união entre pessoas do mesmo sexo como família.

“É o grande ponto de discórdia. A gente respeita, mas o único problema é que não concordamos com o reconhecimento disso como família. A sociedade não concorda e não aceita. É uma minoria querendo impor à maioria a opção deles”, disse o parlamentar.

Os mesmos representantes também condenam o Projeto de Lei que criminaliza a homofobia, dizendo que tal proposta é desnecessária. “Não há necessidade de fazer projeto. A pena é a mesma se você agride um homossexual ou um heterossexual. Você agrediu um ser humano”, explica Cunha.

Em relação aos projetos para aceitar a adoção de crianças por um casal homossexual a bancada religiosa também é desfavorável, de acordo com Cunha essa seria uma forma de “substituir” a família que deve ser formada por pai e mãe.


Fonte: Gospel Prime
Com informações G1
Ocorreu um erro neste gadget

sate da radio

sate da radio
"Evangelizando Povos e Nações"