chat da radio gospel hits brasil

Filme: "Renúncia, Suas escolha definem seu futuro"

quarta-feira, 29 de junho de 2011

Não colha frutos verdes


Uma coisa que tenho pensado nesses últimos meses: Como é difícil confiar em Deus! Não porque Ele não é fiel para nos atender, mas o problema é comigo mesmo em não saber esperar.

Vivemos em uma sociedade imediatista que quer tudo para ontem, é ai que mora o problema, não sabemos esperar o tempo certo, queremos desfrutar de algo que não está preparado. É como querer colher um abacaxi verde, até dá pra tentar comer mas ele vai estar duro e com um sabor horroroso. A bíblia fala: Tudo tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu. (Eclesiastes 3:1).

Acredito que a base da confiança em Deus é saber esperar o tempo certo e sabendo que quando chegar o momento certo o fruto delicioso está nos esperando!

Quando somos apressados colhemos os frutos verdes perdemos o melhor que está reservado para nós, assim como na natureza, os nutrientes, sabor, consistência, textura, cor, enfim, não muito inferiores que um fruto que está no ponto certo de maturação! A vontade de Deus é que experimentemos o melhor mas ele nos dá a escolha de esperar ou ser apressado!

As vezes nossa falta de fé nos impede de esperar, mas a bíblia diz: “Ora a fé é a certeza das coisas que se esperam, a convicção dos fatos que não se vêem.” (Hebreus 11:1). Esse é o maior segredo, confiar naquilo que você ainda não vê, mas tem certeza que irá acontecer! Para isso confiar em Deus é fundamental, se falamos que temos fé e não confiamos em Deus, esse sentimento está longe de ser fé!

Repito, Deus tem o melhor para nós como está escrito em 1º Coríntios 2:9 “Nem olhos viram, nem ouvidos ouviram, nem jamais penetrou no coração do homem o que Deus tem reservado para aqueles que o amam”.

Por Hugo Roberto
http://euescolhiesperar.com/

preocupação do Vaticano com a queda do catolicismo no Brasil

Documento divulgado pelo Wikileaks mostra preocupação do Vaticano com a queda do catolicismo no Brasil

O texto foi revelado com exclusividade para a Rede Record
Documento divulgado pelo Wikileaks mostra preocupação do Vaticano com a queda do catolicismo no Brasil

A Rede Record teve acesso a documentos que mostram a preocupação do Vaticano em relação à queda do número de padres e de fiéis da Igreja Católica no Brasil. Esses dados foram entregues pelo representante da organização transnacional WikiLeaks ao setor de jornalismo da emissora.

A crise do catolicismo foi discutida em 2007  durante o Conselho Episcopal Latino-Americano (Celam) que aconteceu no Brasil e teve a presença do Papa Bento 16.

No documento apresentado pelo Wikileaks,  o monsenhor Stefano Migliorelli afirmava que há um déficit  bem maior de padres na América Latina, se comparado aos Estados Unidos. Fato afirmado por pesquisa que revela que há dez vezes menos padres na região latina do que nos Estados Unidos.

O texto de Magliori também critica o nível escolar da região latina e diz que muitas vezes os padres latino-americanos não aderem aos padrões de disciplina exigidos como o celibato e o sacramento.

Avanço do protestantismo é uma das causas

A medida que o número de católicos vem diminuindo nos últimos 20 anos, o número de evangélicos vem crescendo no país. Em 1980, na segunda visita do papa João Paulo II ao Brasil, os católicos somavam 89% da população. Mas, em 2000, conforme dados do Censo, esse número caiu para 74%, sendo que em algumas cidades o total não passa de 60%.

Fonte: Gospel Prime
Com informações Arca Universal

aborto

Igreja é o principal empecilho para que o aborto seja descriminalizado, revela Wikileaks

O texto é assinado por um embaixador dos Estados Unidos que diz que o aborto é só uma das leis brasileiras que são desrespeitadas pela população
Igreja é o principal empecilho para que o aborto seja descriminalizado, revela Wikileaks

O site Wikileaks divulgou um documento da diplomacia americana que diz que, apesar do aborto ser proibido no Brasil, a prática é muito comum.

O texto assinado pelo embaixador Jonh Danilovich coloca a Igreja como o principal empecilho para que o aborto seja descriminalizado. “Apesar de a maioria dos brasileiros terem uma mente aberta, a igreja não só se opõe à liminar, mas a vê como a ponta do ‘iceberg’ no início de uma série de exceções à proibição do aborto que viesse na prática a legalizá-la”.

Danilovich conclui que enquanto a prática for proibida, ela continuará sendo desrespeitada. “O resultado mais provável desse debate é que o aborto continuará a ser amplamente proibido – com certas exceções – e a proibição continuará a ser amplamente desrespeitada”, diz o embaixador que ainda completa: “A legislação brasileira é cheia de leis que ‘não pegam’ e o aborto é uma delas”.

Fonte: Gospel Prime

terça-feira, 28 de junho de 2011

Parte 2 – Estabelecendo princípios

Série Realcionamentos – Parte 2

Queremos deixar uma coisa bem clara aqui: Estas verdades que estamos compartilhando não são regras, mas sim, são princípios. Não devem ser encaradas como guia de regras, mas como princípios de um Pai amoroso que quer o melhor para os seus filhos.

Se você não leu a Parte 1 – Redefinindo Conceitos <leia aqui>

1) Posso começar um relacionamento sem alvos definidos ou apenas para satisfazer minhas necessidades emocionais?
Não. No Reino de Deus não existe espaço para relacionamentos sem alvos definidos (curto, médio e longo prazo). Além disso, o discípulo de Jesus deve entender que esse relacionamento visa cumprir o propósito e as expectativas de Deus e não apenas ser um passatempo passageiro ( não visa satisfazer as carências do Homem).

2) Posso me relacionar com alguém que, apesar de não ser um discípulo, é uma pessoa honesta,
amável, trabalhadora, respeitosa e responsável?
A Palavra de Deus é bastante clara quanto aos perigos de um relacionamento misto, onde uma das partes não é um discípulo ou não tem Jesus como Senhor de sua vida. Textos como Ne 13: 23 a 28, I Co 7:39 e II Co 6:14 e 15, nos mostram que Deus só pode abençoar um relacionamento construído na mesma base de submissão à Sua vontade, onde ambos estão no Reino de Deus.

Portanto, não devemos buscar relacionamentos que visam o casamento com pessoas incrédulas ou neófitas, por melhores que pareçam ser.

O casamento deve ser entendido em três âmbitos: espiritual, emocional e físico. No incrédulo, só existem dois: emocional e físico.

3) Quais são as etapas desse relacionamento?

Antes de entrar nas etapas, vale lembrar que elas não são estáticas, e sim, dinâmicas e que, mesmo tendo observado todas elas, o elemento DÚVIDA pode surgir em um aspecto ou outro, pois não temos a visão do todo.

Não podemos ignorar que os sentimentos existem, afinal não estamos tratando de um acordo comercial. Porém, não podemos, também, nos deixar guiar por eles.

a) Amizade: Nessa etapa deve existir um relacionamento rico em comunhão, amizade, oração, evangelismo, lazer (passeios, lanches, esportes, etc.). É um período onde a prioridade é aprender a ser cavalheiro ou feminina, estudar, a ser organizado (quarto, roupas, tempo), submisso (pais, professores, líderes), dar um bom testemunho e ter seu caráter tratado (orgulho, vaidade, mentira, serviço, mansidão, etc.). Tempo para aprender a ouvir a Deus através de Sua Palavra, aprender a falar com Deus através da oração. É tempo de se preparar para um relacionamento futuro (Pv. 24:27). É o momento ideal para manifestar disposição em submeter o desejo de casar a Deus (Mt. 6:33;  Ct. 2:7, 3:5,  8:4; Sl. 37:4 e 5).

b) Amizade com observação: Nesse ambiente de amizade pode surgir algum interesse especial. Essa observação deve ser com os olhos (não com a boca e nem com as mãos). É o tempo de orar especificamente, buscar conselho com os pais e discipuladores (Ef. 6:1 e 2; Hb. 13:17). Deve-se ser discreto para não deixar marcas emocionais nos envolvidos. Não deve ser buscado apenas com o intuito de suprir carências emocionais. Cuidado com os flertes, “paqueras” e “cantadas” que não manifestam um interesse verdadeiro e podem mexer com os sentimentos do outro (Pv. 26:18 e 19).

O que observar? Atitudes, reações, hábitos, trato c/a família, planos e alvos. Neles – Se é amoroso, não egoísta, não iracundo, decidido, trabalhador, serviçal, responsável, com iniciativa, fiel, seguro, cheio de fé, fervoroso, se é higiênico, se ronca , se tem mau hálito, chulé, etc.

Nelas – Não reclamona, trabalhadora, responsável, submissa aos pais, organizada, feminina, discreta, higiênica, etc.
Todos os itens observados em um podem ser observados no outro.

Uma vez observados esses pontos devemos nos perguntar:
-         É o tempo de Deus?
-         Já a(o) conheço o suficiente? (Relativo aos ítens acima)
-         Tenho segurança de meus sentimentos?
-         Sei qual é a direção de Deus para mim?
-         Essa é a pessoa com quem quero me casar?

c) Amizade com compromisso: Se a resposta a essas perguntas for “não”, devo me afastar sem deixar marcas ou feridas e manter apenas a amizade. Porém, se a resposta for “sim”, significa que estou convicto de meus sentimentos, intenções e estou  pronto para  ir adiante no meu relacionamento. Podemos definir amizade com compromisso como sendo o relacionamento entre um rapaz e uma moça que pretendem se casar. Podemos dividir essa etapa em duas: Antes e depois.

Antes:

Para assumir um compromisso é necessário que o rapaz se declare para moça. Porém, recomendamos que as primeiras pessoas a serem consultadas, depois dos pastores e discipuladores, devem ser os pais da moça. Isso não está ligado a qualquer “acerto para o casamento” e sim, à demonstração de honra e respeito à autoridade daqueles que primeiro exercem essa função na vida dela.

Além disso, pode poupar o rapaz de situações embaraçosas, caso a moça tenha outra pessoa em vista. Apesar de todos esses cuidados, é bom lembrar que, ao se declarar para ela, ele pode não ser correspondido. Mas, ele terá que correr o risco de levar “um fora”. Uma outra situação é que ele pode estar concorrendo com mais de uma pessoa pela chance de se comprometer com a “eleita” (enquanto ela não se definir você deve se considerar no “páreo”).

De qualquer maneira, existem algumas dicas importantes para se observar: Não tenha receio de levar um “fora” ou de “perder” a moça para outro interessado. Isso não deve abalar sua fé e nem desanimá-lo para outras possibilidades. Lembre-se que é o Senhor quem escolhe a noiva (Pv.19:14) Por outro lado, aquele(a) que sabe que está sendo observado(a) não deve brincar com os sentimentos da(o) interessada(o) dando a impressão de que corresponde ao interesse (Mt. 5:37).

Não iluda, não despreze, não machuque. Trate todos com honra e sejam amigos, sempre deixando claro que não há nada mais do que isso (Cuidado com as carências).

Dados todos esses passos e havendo interesse recíproco, é hora de oficializar o compromisso. Isso deve acontecer de maneira pública (diante da congregação). É necessário que já exista, ao menos, um prazo estabelecido (não muito longo) para o casamento e metas para que esse prazo seja cumprido. O “casal” deve ser acompanhado pelos discipuladores (casal casado, de preferência), que os ajudarão a cumprir as metas estabelecidas como, por exemplo, onde morar, o que falta comprar, preparativos para o dia do casamento, propósito para a família, papel de cada cônjuge, ensino e instrução para o relacionamento e etc..

Depois:

Uma vez oficializado o compromisso, os irmãos devem trabalhar a fim de alcançar as metas e o alvo final do casamento. Nessa etapa do relacionamento, eles deverão observar, mais do que nunca, os princípios de Santidade e Pureza que os guiará a uma conduta dentro da vontade de Deus (I Tess.4:3 a 7; Hb 12:14; Mt 5:8).

Não podem se esquecer que, até o dia do casamento, são solteiros (irmãos em Cristo) e devem se portar como tal. Isso implica que não devem trocar carícias e beijos que estimulem a sensualidade ou os façam defraudar um ao outro. A regra é: Só devo fazer aquilo que faria se estivesse na frente dos pais dela(e), ou, não farei em oculto o que não faria diante dos outros (Pv. 20:21).

Também, não devem se isolar ou ficar sozinhos em lugares desertos. A palavra de Deus nos fala de fugirmos da aparência do mal (I Tess. 5:22), portanto, não devemos dar brechas para que o inimigo se aproveite da situação e nos faça pecar. É um tempo para exercitar o domínio próprio (fruto do Espírito).

Todas as vezes que há defraudação, o resultado é um conflito moral e um sentimento de acusação que nos impede de desenvolvermos integralmente nosso chamado e interrompe nossa comunhão com Deus e com os irmãos. É preciso que haja, rapidamente, arrependimento, confissão e uma mudança nas atitudes e hábitos para evitar novas situações semelhantes.

Amados, o Pai não exige de nós perfeição, ele deseja que andemos na luz (1ª Jo 1:5). Fatalmente podemos errar em um ou outro princípio, mas o importante é que quando quebramos um princípio, devemos nos arrependermos, termos a humildade de confessar os nossos pecados, sermos perdoados e seguir em frente.

DEDÉ SANTANA DE VOLTA

Pedi a Deus para não morrer, revela humorista evangélico

                                                                                                 
                                  
    Há um mês, durante uma gravação de A Turma do Didi, Dedé Santana, 75 anos, sentiu-se mal. Sentiu a vista escurecer e foi encaminhado para o hospital Barra D’or, no Rio. Vítima de uma verticulite no intestino grosso, o humorista sentiu medo da morte, de não poder ver mais os oito filhos, oito netos e a mulher.
    Para superar tudo isso, ele conta que se apegou à fé, à Bíblia – que, garante, há 16 anos norteia a sua vida – e às palavras do amigo Renato Aragão. Em entrevista exclusiva, Dedé falou ao JT sobre o drama e do tempo em que fazia parte de Os Trapalhões. Histórias, aliás, que ele reunirá no livro Eu e Meus Amigos Trapalhões, que deve ser lançado no mês que vem.
Como está sendo voltar ao trabalho, depois do susto?
Tem sido maravilhoso. Cheguei na Globo e meu camarim estava cheio de flores. Tem males que vêm para o bem. Todo mundo me recebeu de braços abertos.
O Renato Aragão foi visitar você no hospital alguma vez?
Sim. Ele deu um jeito, entrou na CTI e falou: “Meu irmão, você vai sair dessa.” Quando ele quebrou o nariz (em abril de 2010), eu também consegui entrar no hospital em que ele estava e falei para o médico dele: “Doutor, não dá para você me operar de qualquer coisa só para eu poder ficar aqui com ele?”. A gente sempre foi assim.
Nessa sua internação, você chegou a sentir medo de morrer?
Eu senti medo do pior. Fiquei com medo de morrer e não poder ver minha mulher e meus filhos. Achei que eles não chegariam a tempo de Santa Catarina.
E nessa espera por eles e por uma melhora, ficou rezando?
Sim. Eu sou evangélico. Então, me peguei muito a Deus. Eu sou muito conformado com as coisas que Deus faz, viu? Mas, nessa hora, eu pedi para não morrer. Foi difícil, mas minha família me apoiou muito, o tempo todo.
E sua família é bem grande.
É verdade. Grande demais (risos). Eu tenho oito filhos e oito netos. Teve um dia que eu cheguei numa rádio, no interior da Bahia, e o cara falou: “Rapaz, você gosta muito de criança”. Eu olhei para ele e respondi: “Não, meu caro. Eu gosto muito da minha mulher”.
Então, aos 75 anos, você ainda gosta muito de namorar?
Sim! Estamos juntos há 20 anos.
E quer ter mais filhos?
Eu até queria ter mais, mas minha mulher (Christiane Bublitz, ex-rainha da Oktoberfest Santa Cruz do Sul) não. Mas apesar de adorar criança correndo pela casa, na verdade eu não fui muito bom para os meus filhos, sabe?
Você foi um pai ausente?
Um pouco. Eu ficava muito fora, né? A gente (Os Trapalhões) chegou a fazer uns três filmes por ano. Agora é que eu tenho ficado mais com eles. E, hoje, eu também sou um homem mais sossegado. A igreja fez bem para mim, sabe? Minha conversão se deu porque eu fui salvo no hospital por Jesus. Ali (há 16 anos), eu sosseguei o rabo. Eu era muito namorador…
Mas porque você foi para o hospital nessa época?
Porque eu tive um problema no coração. Na verdade, eu não tinha religião. Eu era maria vai com as outras. Alguém me falava: “Vamos numa sessão espírita?” Eu ia. “Vamos na macumba?” Eu ia. Mas sempre acreditei em Deus.
E agora você está sossegado e ganhando tão bem quanto na época de ‘Os Trapalhões’?
Não é assim. Não ganho igual. Antes, a gente tinha contrato com montadoras de bicicleta, fazíamos filmes, era muita renda…
Na época do grupo você conseguiu ficar rico?
Não. Eu sou muito mão aberta e não gosto de falar isso, porque fico colocando azeitona na minha empada. Mas posso dizer que tive grandes emoções nessa vida e isso foi o que valeu. Minha única queixa dessa carreira é que dirigi uns 70 filmes na vida e nunca fui convidado para um Festival de Cinema. Depois que eu morrer, não adianta me homenagearem.
Ontem, você disse que estava indo para o Rio. Onde reside?
Estou morando em Itajaí (SC). Eu fui para lá há seis anos, quando fui contratado pelo Beto Carreiro para fazer apresentações no parque dele. Aí, quando o Beto faleceu, o Didi me ligou para eu vir para a Globo. Foi um presente!
Por qual motivo?
Porque eu queria trabalhar outra vez com o Renato (Aragão). Esse foi o segundo grande presente que ele me deu. O primeiro foi um curso de direção em São Paulo e a chance de dirigir os filmes de Os Trapalhões. Por isso, não queria morrer e estar longe dele.
E como o conheceu?
Eu trabalhava num teatro no Rio e o Arnaud Rodrigues, que escrevia para o Chico Anysio, me viu e falou de mim para o Renato, que procurava um companheiro. Como eu saltava e fazia até oito números de circo, gostaram de mim.
Eu cheguei a participar até do globo da morte. Então, quando conheci o Didi deu super certo e nunca mais nos largamos.
Mas Dedé, vocês não haviam brigado? Explique melhor isso…
Imagina! Nós nunca brigamos. A gente se falava pouco, em datas especiais: aniversário, Natal… Mas a gente sempre se ligava.
Então, nunca existiu um ego maior da parte do Renato?
Não. Nunca houve. Quando os outros vieram (Zacarias e Mussum), eles sabiam que ele era o líder, o cara que escrevia. A primeira vez que peguei o texto dele eu falei: “Rapaz, se um dia você conseguir fazer o que você escreve, você vai ser o maior humorista do Brasil”.
Foi você quem levou o Mussum para o grupo? Como foi isso?
Sim. Eu o conhecia do grupo Os Originais do Samba. Ele não queria ser humorista, sabia? Ele dizia: “Eu sou tocador de reco-reco, meu cumpade”. Mas eu o convenci.
É verdade que vocês quatro chegaram a morar juntos?
A gente vivia mais junto do que com a nossa família. Os Trapalhões viviam juntos. Viajamos o Brasil, fomos para Marrocos, Angola e EUA. Era tão bom, dávamos tantas gargalhadas. A maior diversão sempre era o Renato.
O que ele fazia?
Às vezes, ele amarrava a roupa de um na do outro. No meu caso, ele enchia os bolsos de manga, porque sabia que eu gostava da fruta. Ele nunca desanimava. Eu, na verdade, era o mais mal-humorado da turma. O Mussum fazia farra e o Zacarias era o conselheiro.
Como foi perdê-los?
Muito difícil. Eu e o Renato até pensamos em largar a TV. Mas eu aprendi desde cedo que o espetáculo tem de continuar. Uma vez, eu e minha família organizamos um espetáculo de circo em Santos, com tudo fiado. E, horas antes de estrearmos, meu pai foi atropelado e morreu. Pensamos em desistir de tudo, mas estávamos com os ingressos vendidos. Lembro que eu e meu irmão, Dino Santana, velávamos o meu pai lá atrás do circo e na frente, no picadeiro, fazíamos palhaçada…
E além dessa dificuldade, passou por outras para entrar na TV?
Muitas. Passei fome aqui no Rio de Janeiro e dormi nas praias. Quem me ajudou foi um baiano que tomava conta de um teatro no Posto 6. Eu o ajudava a fazer a limpeza e ele me pagava comida. Enquanto isso, eu mentia para a minha família. Dizia que estava indo bem na carreira de diretor de cinema que eu tanto sonhava.
TESTEMUNHOS
:: DEDÉ SANTANA - EX TRAPALHÕES
O homem que vagou pela escuridão mas encontrou em Jesus um motivo pra rir  >> Ler o testemunho
OUTRAS NOTÍCIAS
:: O RELATO DE UM EX-TRAPALHÃO
Dedé relembra os momentos de dor durante internação  >> Leia mais

Data: 28/6/2011 08:30:16
Fonte: JT

“Eu escolhi esperar”, diz coordenador de campanha pela castidade


“Eu escolhi esperar”, diz coordenador de campanha pela castidade

Pastor usa redes sociais para incentivar jovens a só fazerem sexo depois do casamento

por Denise Dalla Colletta
 
Mesmo sofrendo gozações dos amigos, eles saíram do armário e resolveram assumir sua posição em relação ao sexo nas redes sociais. Não, não estamos falando dos homossexuais nem de nenhuma outra orientação sexual. Um grupo bem menos conhecido – e comentado pela mídia – são os jovens que decidiram esperar o casamento para fazer sexo. Há algumas semanas eles ficam mais numerosos ao assumirem sua posição no Facebook e Twitter.

A campanha #euescolhiesperar mobiliza mais de 20 mil pessoas no Twitter e esteve entre os temas mais comentados do microblog no Brasil nos dias 20 e 21 de junho. Além disso, mais de 4 mil pessoas “curtem” o movimento pela castidade no Facebook. Galileu procurou o homem por trás da ideia. O pastor e coordenador da ONG cristã Mobiliza Brasil, Nelson Junior, diz que esperou encontrar a mulher ideal para fazer sexo e quer divulgar a ideia para fortalecer quem optou por ela. E afirma que deveríamos falar mais sobre sexo. Confira o papo e comente.

De onde veio a ideia da campanha?
Da minha vida, um dia escolhi esperar o tempo e a pessoa certos para ter um relacionamento da forma certa em vez de me aventurar emocionalmente. Como vivi isso e colhi os frutos, hoje falo aos mais jovens o que experimentei. Foi uma verdade que funcionou comigo, surgiu a ideia de fazer uma campanha assim como a do câncer ou contra as drogas. Começamos um movimento que valoriza a pessoa e os relacionamentos.

Do que se trata a campanha?
A sociedade prega uma falsa liberdade sexual, diz que devemos usá-la sem limites. E é aí que a liberdade acaba e tem graves consequências. Criamos a campanha para fortalecer jovens que querem uma vida emocional e sexual responsável, não é uma militância para ganhar novos adeptos. Sexo é um assunto tabu em igrejas cristãs hoje. Para alguns grupos é imoral falar sobre isso. Mostramos aos pais e líderes religiosos que ele precisa ser tratado de forma aberta urgentemente. Sexo não é imoral, foi criado por Deus, é uma coisa bela, o que precisamos é restaurar o sexo.

Qual o papel das redes sociais na campanha?
Usamos as redes para divulgar. Começamos há 4 meses e, para nossa surpresa, passamos dos 20 mil seguidores. Ganhamos 300 adeptos novos no Twitter por dia. A campanha é bem recebida na internet. Muitos jovens escrevem agradecendo. Até não-cristãos escrevem encorajando, acham que a sociedade perdeu valores.

As redes estão ajudando pessoas que querem esperar pelo casamento a sair do armário?
Estão gerando conscientização de que não há vergonha alguma nisso. Há tempos eu passei por isso, me sentia constrangido em dizer que minha opção era ser virgem na escola. Quando fui ficando mais velho, já falava abertamente. As redes ajudam as pessoas a verem que não é vergonhoso. Até liberta, dá o poder de dizer: cada um tem sua opção e a minha é essa.

Editora Globo
Nelson Junior, coordenador da campanha "Eu escolhi esperar" // Crédito: Arquivo pessoal

Vocês têm algum plano para passeatas ou marchas?
Temos pensado à respeito. Estamos só cogitando, ainda sem plano de ação. Mas é possível. Já programamos mais mobilizações nas redes para 6 de setembro, que é dia do sexo. Em 20 de junho, fizemos uma twitcam e pedimos para as pessoas twitarem a hashtag #euescolhiesperar e dizer de onde são para conseguirmos rastrear suas cidades. Em 15 minutos, já estava nos TT’s, e ficou lá até o outro dia. Não foi proposital.

Na prática, que ações vocês fazem promover a ideia?
Oferecemos palestras e seminários em igrejas e entidades para pais, filhos adolescentes e também para pessoas de mais idade, nosso desejo é gerar cultura para os relacionamentos nos padrões de Deus, da Bíblia.

Você é pastor de onde? Hoje estou dando seminários, não estou mais à frente de uma igreja. Fui 10 anos pastor da igreja evangélica de Vila Velha. Agora me dedico à ONG MOB (Mobilizando Brasil).

Quem sustenta a ONG?
Temos uma equipe voluntária. São advogados, professores, pessoas que têm causa e investem seu tempo nisso. Como as pessoas que trabalham na ONG são de igrejas diferentes, não divulgamos igrejas para não promover um grupo especifico, ela é de caráter cristão. Justamente pela neutralidade, nossa campanha foi bem aceita por diferentes segmentos.

Quem pretendem atingir com a campanha?
Queremos fortalecer jovens solteiros que tomaram a decisão de esperar. O assunto no Brasil hoje, na área da sexualidade, é o reconhecimento da união homossexual, a sociedade aprova essa conduta. Mas, se um jovem fala que quer se preparar para o casamento, é motivo de zombaria, sofre discriminação. Mostramos que eles não são malucos ou recatados. Não ensinamos castidade ou a virgindade, o foco é preparar para o casamento, para famílias saudáveis. A sociedade valoriza o ato sexual independente com quem seja, a liberdade não é para a pessoa, é para o sexo. Deus quer mais que virgindade, quer uma vida com boas ações. O grande número de divórcios acontece pela banalização da promiscuidade.

Quer dizer que quem não é mais virgem é bem recebido? Encorajamos quem nunca teve uma experiência sexual a se guardar. E, àqueles que já fizeram, mas escolheram esperar, queremos mostrar que nunca é tarde para fazer o que é certo, recomeçar. O fato da pessoa já ter experiências antes não tira o valor de sua decisão. Dizemos que sexo é bom, é de Deus, só que no contexto do casamento.

Vocês têm alguma posição sobre camisinha?
Não pensei sobre isso, como nossa mensagem é focada aos solteiros, a camisinha acaba nem entrando em discussão, o foco é não fazer sexo. Você não precisa dela porque está se guardando para o casamento.

O que acham do anel de castidade usado por alguns grupos nos Estados Unidos?
Ainda não trabalhamos com o anel. Quando nos perguntam, aprovamos, mas precisa vir como símbolo da decisão que a pessoa tomou.

Fonte:  Revista Galileu - NOTÍCIAS -

segunda-feira, 27 de junho de 2011

Marta Suplicy quer aprovar PL 122 com outro nome

Para a senadora, os parlamentares religiosos conseguiram "demonizar" o projeto e com esse nome ele não poderá ser aceito pela população
Marta Suplicy quer aprovar PL 122 com outro nome

Durante a Parada do Orgulho Gay que aconteceu no domingo, 26, em São Paulo a senadora Marta Suplicy disse aos jornalistas que terá que mudar o nome do Projeto de Lei 122/2006, que criminaliza toda opinião contrária ao homossexualismo, para que o texto seja aprovado e aceito pela população.

O motivo da troca do nome do projeto se deve às críticas que o texto tem sofrido por parte de parlamentares e líderes religiosos.  Para Marta Suplicy, que desarquivou o projeto e virou redatora dele, os religiosos conseguiram demonizar o texto e por isso será necessário fazer algumas alterações.

“O nome ficou muito complicado de se aprovar, o que, no conteúdo, não é mais complicado. Temos um conteúdo mais ou menos acordado. O que está difícil de acordar é o que fazemos com esse número, porque demonizaram tanto que eles não sabem o que fazer agora para dizer que o demônio não é mais demônio,” disse a vice-presidente do Senado.

A ideia da senadora é tentar convencer a bancada religiosa de mudar suas convicções sobre o projeto e tentar fazê-los aprovar o texto. “Estou tentando fazer um acerto para que não tenhamos tantos opositores ao projeto, mesmo que isso acarrete em algumas mudanças que não são boas. Estamos pensando em como fazer passar o conteúdo do PL 122, sem o número 122″, disse Marta Suplicy.

Fonte: Gospel Prime
Com informações Terra

Juiz afirma que continuará anulando casamentos gays

Juiz afirma que continuará anulando casamentos gays e não teme ser punido

Villas Boas que é pastor evangélico não concorda com a decisão do STF de aprovar a união estável entre pessoas no mesmo sexo
Juiz afirma que continuará anulando casamentos gays e não teme ser punido

Durante uma entrevista concedida ao programa Fantástico que foi ao ar no último domingo, 26, o juiz Jeronymo Villas Boas, que ganhou destaque na mídia por anular o primeiro contrato de união estável entre homossexuais, afirmou que continuará anulando esses contratos em Goiás.

Villas Boas, que é pastor da Assembleia de Deus Ministério Madureira, teve a anulação cassada pela corregedora da Justiça de Goiás, Beatriz Figueiredo Franco, e ainda corre o risco de ser punido, mas ao programa ele diz que não sente medo. “Medo não faz parte do meu vocabulário”.

Apesar de sua religião, o juiz afirma que sua decisão foi baseada na própria lei. “O que neste ato pretenderam os dois declarantes é obter a proteção do estado como entidade familiar. Os efeitos jurídicos que se extrairia disso são efeitos jurídicos de proteção da família. Eles não são uma família”, afirma.

Para o juiz, o conceito de família definido pela Constituição brasileira é apenas para o núcleo formado entre homem e mulher. Por esse motivo é que ele anula as uniões homoafetivas, pois casais gays não teriam como constituir nem família nem estado. “Declara no artigo 16 que constitui família o núcleo formado entre homem e mulher. E dá a esse núcleo uma proteção especial como célula básica da sociedade. Família é aquele núcleo capaz de gerar prole”.

Essa posição do juiz vai contra a interpretação do Supremo Tribunal Federal sobre o que é uma família. “O ministro-relator Ayres Britto disse que a Constituição apenas silencia e, portanto, não proíbe a união homoafetiva. Em linguagem poética, o relatório dele, aprovado por unanimidade, diz que família é um núcleo doméstico baseado no afeto e que os “insondáveis domínios do afeto soltam por inteiro as amarras desse navio chamado coração”.

Sob acusação de fundamentalismo religioso, Villas Boas diz que já chegou a negar isenção de imposto para sua própria igreja e também diz que é criticado dentro da instituição religiosa por ter influência marxista (Karl Marx, o fundador do comunismo).

Mesmo assim ele diz que também não vai negar seus princípios religiosos. “A Constituição brasileira foi escrita sob a proteção de Deus. Querer que um juiz, que professa a fé evangélica, não decida questões que envolva conflitos, muitas vezes, de natureza política, social ou religiosa é negar a independência do juiz”, pondera.

Assista a entrevista:

Fonte: Gospel Prime
Com informações G1

Evangélicos se dividem em grupos favoráveis e contrários

Evangélicos se dividem em grupos favoráveis e contrários na Parada Gay em SP

Grupos evangélicos contra e a favor do movimento disputam atenção
Evangélicos se dividem em grupos favoráveis e contrários na Parada Gay em SP

A 15ª Parada Gay dividiu os evangélicos. Neste domingo (26/6), grupos religiosos aproveitaram a concentração na avenida Paulista para disputar a atenção dos homossexuais – uns, para censurá-los. Outros, para apoiá-los.

Para os primeiros, a missão desta tarde é tirar gays, lésbicas e transexuais do “mau caminho”. Distribuindo panfletos e conversando com quem quer ouvir, os evangélicos tentam convencer o público de que é preciso aceitar como Deus lhe pôs no mundo – homem ou mulher – e cumprir seu papel.

Mas nem todos os evangélicos pensam assim. Outro grupo, da Igreja Cristã Evangelho para Todos, compareceu à Parada para apoiar a opção dos participantes. Para eles, o amor deve ser universal e o mais importante, independente da opção sexual, é seguir os ensinamentos de bondade e caridade de Cristo.

Fonte: Exame

Projeto gráfico de Bíblia é premiado em festival de publicidade


Projeto gráfico de Bíblia é premiado em festival de publicidade

A Bíblia tem a capa colorida com uma cruz branca e as folhas trazem o mesmo desenho
Projeto gráfico de Bíblia é premiado em festival de publicidade

Entre os dias 19 e 25 de junho aconteceu em Cannes (França) o festival de publicidade voltado para premiar campanhas de marketing e peças publicitárias. Entre os ganhadores está o projeto gráfico da agência Gobasil, de Hamburgo, que produziu um layout supermoderno para a Bíblia Sagrada.

A “BasisBibel NT” trata-se de uma Bíblia com a tradução alemã do Novo Testamento com uma linguagem contemporânea com um design bastante atraente, uma cruz branca sobre um fundo colorido.

O projeto foi feito sob encomenda da Sociedade Bíblia da Alemanha e foi lançada em Frankfurt em outubro de 2010 se tornando um sucesso de vendas, mais de 26 mil cópias vendidas da primeira edição.

A Bíblia Básica (tradução de BasisBibel) foi idealizada levando em consideração o público alvo que é jovens e adolescentes. Além da capa a faixa etária do público também influenciou o conteúdo, a tradução tem uma linguagem mais clara e moderna.

O projeto premiado em Cannes na semana passada já ganhou o público alemão, cinco meses depois do lançamento a edição com capa em roxo estava esgotada. As outras cores (verde, azul petróleo, e azul claro) também esgotaram em pouco tempo. Apenas a de cor laranja estava disponível.

Fonte: Gospel Prime
Com informações Livros e Pessoas

Parada Gay usa textos bíblicos para lutar contra a homofobia

Um dos trios trazia a citação do Salmo 85:10 que diz " A justiça e paz se beijarão"
Parada Gay usa textos bíblicos para lutar contra a homofobia

A 15º Parada do Orgulho Gay engrossou o coro contra os parlamentares religiosos que estão trabalhando para impedir leis como o projeto de Lei 122/2006 que criminaliza toda opinião contra o homossexualismo.

Para isso, a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (ABGLT) lançou para este ano o tema “Amai-vos uns aos outros: basta de homofobia”.

Durante todo o percurso da passeata que aconteceu neste domingo, 26 de junho, os mais de 4 milhões de participantes ouviram discursos contra os “fundamentalistas religiosos” que militam contra os projetos que favorecem os homossexuais.

Apesar da quantidade de participantes, de acordo com uma notícia do portal IG, poucos deles estavam na Parada pensando em reivindicar seus direitos civis, tanto que em um dos discursos do deputado federal Jean Wyllys alguns participantes chegaram a gritar “Toca Lady Gaga”.

Por outro lado um dos trios elétricos estava sendo coordenado pelo Centro de Referência da Diversidade e de acordo com a coordenadora, Irina Bacci, cerca de 400 pessoas, de várias religiões estavam apoiando, entre eles padres, pastores e ateus.

Esse trio trazia uma faixa com a citação do Salmo 85:10 que diz “A justiça e paz se beijarão”. A intenção era protestar contra os discursos feitos durante a Marcha para Jesus que aconteceu no último dia 23.

Alguns integrantes da manifestação seguram uma faixa com a frase “Exerça a fé e pratique o amor ao próximo. Diga não à homofobia”. Também estão sendo distribuídas 200 camisas e 3.000 botons com a frase: “O amor lança foram todo o medo”.

Fonte: Gospel Prime
Com informações Folha

domingo, 26 de junho de 2011

“Marcha para Jesus” reúne multidão em ruas de Porto Velho

“Marcha para Jesus” reúne multidão em ruas de Porto Velho

PORTO VELHO – Milhares de pessoas de várias idades e religiões participaram da “Macha para Jesus” realizado por líderes evangélicos, em Porto Velho, na última quinta-feira (23). O evento encerrou com um show gratuito com o cantor e pastor David Quilan na Praça Aluizio Ferreira.

Este ano, a “Macha para Jesus” veio com o tema “Um Trânsito Livre para a Família” e percorreu as principais ruas e avenidas de Porto Velho com momentos de reflexão, orações e louvores, até a Praça Aluizio Ferreira.

O acontecimento é organizado mundialmente e ocorre sempre no feriado de Corpus Christi. Segundo os organizadores, cerca de cem mil pessoas participaram da “Macha para Jesus” na capital.

fonte:  Portal Amazônia

sábado, 25 de junho de 2011

Amor, Sexo e Casamento

Hoje há algumas pessoas trazendo uma doutrina sobre o assunto de sexo e casamento que aparenta ter uma certa razão e lógica filosófica mas, no fundo, é algo que conduz a caminhos errantes e destruidores.

O resumo do ensino é mais ou menos assim: “O que santifica o sexo é o amor, se realmente amamos a pessoa, estamos casados com ela e assim podemos desfrutar do sexo com a mesma. Se por outro lado estamos legalmente casados com uma pessoa e não a amamos, diante de Deus não estamos casados (por que não há “amor”) e somos livres para deixá-la, já que não estaríamos casados diante dos olhos de Deus”. Isso é um resumo muito abreviado dessa doutrina que tem sido difundida por alguns. Eles prosseguem e falam coisas aparentemente bonitas sobre a importância do amor no relacionamento conjugal e usam isso e outras filosofias como base para “provar” que o que faz o casamento (e santifica o sexo) é o “amor”.

Muito bem, casamento sem amor certamente não é o plano de Deus, mas será que é o amor que faz você ser/estar casado ou não? Paulo, escrevendo para a igreja em Éfeso exortava os irmãos dizendo: “Vós, maridos, amai a vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela” (Efésios 5:25). E também no verso 28 reforça: “Assim devem os maridos amar a suas próprias mulheres, como a seus próprios corpos. Quem ama a sua mulher, ama-se a si mesmo.” Inicialmente, isso parece apoiar a filosofia que está sendo pregada, pois enfatiza o amor. Mas, se olhamos com atenção,  enxergamos uma verdade bastante diferente em relação ao engano sutil que está sendo espalhado por aí.

Quando Paulo diz “maridos, amai a vossas mulheres” deixa óbvio que a falta de amor no casamento era um problema entre os irmãos para os quais ele estava dirigindo essa carta. Porém, ele chama as mulheres de “vossas mulheres”, mesmo quando é claro pelo contexto que elas não eram amadas como deveriam. (E o original no grego traz esse sentido, não é fruto de uma tradução errônea). Assim, nessa exortação vemos claramente que a falta desse amor tão importante NÃO anula o casamento. Mesmo sem amor, continua sendo “vossa mulher”. A solução ao problema, oferecida por Paulo, é o amor sacrificial, usando a própria morte de Cristo como exemplo: “Vós, maridos, amai a vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela”.

Se entendermos isso, saberemos que é um contraste muito grande àquilo que é trazido por esses “mestres” errantes de ensinos lisonjeiros e egoístas. Eles dizem por aí que se não houver amor pode-se deixar o cônjuge livremente, pois assim você será mais feliz. Verdadeiramente, como Paulo diz, “muitos há, dos quais repetidas vezes vos disse, e agora vos digo até chorando, que são inimigos da cruz de Cristo; cujo fim é a destruição; cujo deus é o ventre; e cuja glória assenta no que é vergonhoso; os quais só cuidam das coisas terrenas” (Filipenses 3:18-19). Note que Paulo não está falando de inimigos diretos de Cristo, mas de inimigos da CRUZ de Cristo, pessoas que se recusam a negar a si mesmas e trilhar, em suas vidas, o caminho da cruz.

Em Lucas, Cristo falou sobre as coisas que ele havia de sofrer e “Em seguida dizia a todos: Se alguém quer vir após mim, negue-se a si mesmo, tome cada dia a sua cruz, e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, perdê-la-á; mas quem perder a sua vida por amor de mim, esse a salvará” (Lucas 9:23-24). Em Lucas 14:27 diz ainda: “Quem não leva a sua cruz e não me segue, não pode ser meu discípulo”.

Vale a pena ressaltar que a palavra usada em Efésios para descrever o tipo de amor que devemos ter para com as nossas esposas é o “Ágape” (no grego), que é a mesma palavra usada em 1 Pedro 1:22 e 1 João 3:14 para se referir ao tipo de amor que devemos ter para com TODOS os irmãos em Cristo. Indo ainda mais longe, Cristo disse que devemos ter esse tipo de amor (Ágape) até por nossos inimigos (Mateus 5:44)!

Então, se usamos a falta de “amor” como base para separação, estamos completamente fora daquilo que diz o Espírito de Deus. A solução não é separar, mas sim buscar a Deus para obter esse amor que provém dEle.

Quando o Senhor diz para amarmos as nossas esposas (ou elas nos amarem) não é nenhuma “sensação” que precisa do alinhamento correto das estrelas do céu, uma pessoa que mais nos dê prazer ou a chegada da situação ideal. Até se temos inimizade dentro de casa o chamado é o mesmo: o amor sacrificial. Esse amor não se resume em sentimentos, de fato a definição da palavra Ágape não fala em sentimento, mas em ação! Segundo a tradução do dicionario “Strongs”, a palavra “Ágape” significa “tratar com afeto, dar carinho, amar, ter carinho por”. Todas essas qualidades são ações e atitudes, não apenas sentimentos. Claro que o amor real vai nos dar sentimentos periodicamente mas não se resume em, nem se define por sentimentos. Também o amor pode existir mesmo na falta de sentimentos ou até em meio a sentimentos contrários, porque a fonte desse amor é Deus.

Tratando desse amor Ágape, 1 João 4:7-8 diz: “Amados, amemo-nos uns aos outros, porque o amor é de Deus; e todo o que ama é nascido de Deus e conhece a Deus. Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.”  Assim vemos que a fonte do amor (amor real, não esse “amor” que alguns pregam) é
Deus, Ele É amor. Também há outro aspecto importante nesse trecho, ele deixa claro que a falta de amor em nossas vidas diz que não conhecemos a Deus como deveríamos. Esse “conhecer” refere-se a um conhecer íntimo, decorrente de uma maturidade de relacionamento e provavelmente tempo de caminhada com Deus. Note que quem “ama é nascido de Deus E conhece a Deus”. Ou seja, não é apenas nascido de novo, mas também tem persistido e se rendido em realmente conhecer a Deus de forma mais profunda. O que, muitas vezes, é fruto do passar por sofrimentos com Ele. Note também que o texto diz que SE a pessoa amar (com amor Ágape) É nascida de Deus, mas se não amar não afirma que não nasceu de Deus, porém afirma que não conheceu a Deus de forma mais íntima.

Mas, voltando ao assunto do ensino que tem surgido em alguns cantos da igreja, nesses versículos vemos outra prova concreta do erro de tais ensinos, quando os mesmos dizem que é o amor que faz você casado, ou não, com a pessoa e justifica o sexo. Já que precisamos amar com amor Ágape até os nossos inimigos, pela lógica de tal doutrina estaríamos “casados” com praticamente todo mundo! Espero que seja óbvio que isso não é a verdade nem o ensino do Senhor.

E já que não é somente o amor que nos torna casados, o que nos libera para ter relações sexuais com uma pessoa? Em Hebreus 13:4 lemos: “Honrado seja entre todos o matrimônio e o leito sem mácula; pois aos devassos e adúlteros, Deus os julgará.” É o matrimônio que nos permite desfrutar de tal intimidade. No grego a definição da palavra matrimônio traz o sentido de uma festa de casamento, núpcias, banquete de casamento. E por que isso tornaria o sexo aceitável aos olhos de Deus? Porque assim assumimos um compromisso diante dEle e diante dos homens para amar sempre o nosso cônjuge, mesmo quando nos custa na pele. E assim formamos um compromisso definitivo, um laço dentro do qual o sexo não é somente aceito por Deus como também abençoado por Ele.

As pessoas que difundem esse ensino enganoso dizem que antigamente o casamento não era o que é hoje, era apenas uma grande festa. Mas, toda festa tem o seu motivo e essa festa era por causa do matrimônio dos noivos, celebrando a união deles. Assim, mesmo que hoje a cerimônia do casamento seja diferente, ela exerce a mesma função. E a função ou o objetivo é sempre mais importante que a forma. E assim, hoje o casamento como é praticado (pela maior parte da igreja) serve para demonstrar a todos que os noivos estão assumindo um compromisso permanente um com o outro.

Assim como Paulo devemos procurar “sempre ter uma consciência sem ofensas diante de Deus e dos homens” (Atos 24:16). Não deixando que “Ninguém vos engane com palavras vãs; porque por estas coisas vem a ira de Deus sobre os filhos da desobediência. Portanto não sejais participantes com eles; pois outrora éreis trevas, mas agora sois luz no Senhor; andai como filhos da luz (pois o fruto da luz está em toda a bondade, e justiça e verdade), provando o que é agradável ao Senhor” (Efésios 5:6-10).

Que Deus nos conceda graça e amor!

Por João Dyer
http://euescolhiesperar.com/

sexta-feira, 24 de junho de 2011

Milhões de pessoas participam da Marcha para Jesus em SP

24 / junho / 2011 - 14:04

Milhões de pessoas participam da Marcha para Jesus em São Paulo

A Polícia Militar estima 1,5 milhão de pessoas, mas a organização diz 5 milhões estavam presentes
Milhões de pessoas participam da Marcha para Jesus em São Paulo

A 19ª Marcha para Jesus reuniu milhões de pessoas na cidade de São Paulo, o evento foi organizado pela Igreja Renascer  e teve a participação de vários líderes religiosos como o pastor Jabes Alencar, da Assembleia de Deus do Bom Retiro, o pastor Silas Malafaia da Assembleia de Deus Vitória em Cristo (Advec), o apóstolo Sergio Lopes da Igreja Comunhão Plena e muitos outros.

Mais de 200 caravanas vindas de diversas partes do Brasil chegaram na capital paulista para participar desta festa. A Polícia Militar estima que 1,5 milhão de pessoas estiveram presentes, já a organização diz o número de 5 milhões de pessoas, o mesmo número apresentado por eles no ano passado.

O evento começou às 10h saindo da estação de metrô Tiradentes, na zona norte da capital e seguiu em direção à Praça dos Heróis da Força Expedicionária. De acordo com a organização 10 trios elétricos conduziram os fiéis até a concentração onde aconteceu a apresentação de diversos cantores gospel.

Entre as personalidades políticas que estiveram presentes estava o senador Marcelo Crivella, o deputado Marcelo Aguiar, o prefeito da cidade de São Paulo, Gilberto Kassab, o senador Magno Malta e outros.
Crivella, Marcelo Aguiar e o pastor Silas Malafaia percorreram todo o percurso da Marcha no trio elétrico principal, comandado pelo apóstolo Estevam Hernandes.

Malafaia e discursa contra as decisões do STF

Já na concentração o líder da Advec teve a oportunidade de falar sobre a luta contra projetos como o PL 122 que criminaliza  a opinião contrária ao homossexualismo.

“A imprensa tem que saber, se tem governador, presidente, vereador, que é contra a família, não tem nosso voto!” Disse Malafaia que também falou contra a decisão do Supremo Tribunal Federal que aprovou a união estável entre pessoas do mesmo sexo.

Outro assunto abordado pelo pastor foi a decisão do STF de liberar a Marcha da Maconha em favor da liberdade de expressão. “Amanhã se quiserem fazer marcha em favor da pedofilia, vai poder, em favor do craque, vai poder… Mas nós como povo de Deus dizemos Não!”

Por outro lado o presidente da Marcha, o apóstolo Estevam Hernandes preferiu não dar sua opinião sobre esse assunto, ele que já deu apoio à senadora Marta Suplicy, disse em entrevista a Globo que a Marcha não é um evento político. “A marcha não é um evento político. São opiniões pessoais que a gente não tem como controlar”, afirmou.

Magno Malta chegou um pouco mais tarde, ele se apresentou com a banda Tempero do Mundo e reforçou o discurso de Malafaia falando que a liberar a Marcha da Maconha é o dar precedentes para que outras manifestações aconteçam, muitas até fazendo apologias a drogas e violência.

Mais de 20 cantores evangélicos se apresentam na Marcha

Este ano a Marcha para Jesus contou a participação de diversos cantores evangélicos, entre eles Mariana Valadão, André Valadão, Fernanda Brum, Cassiane, Eyshila, Kleber Lucas, Brenda, Ao Cubo, X-Barão, Oficina G3, Regis Danese, Renascer Praise, Tempero do Mundo, Pregador Luo, Waguinho, Banda Baque, Talita Pagliarin, Banda do PA, Chris Duran, Thalles Roberto, Gabriela Rocha e muitos outros.

Fonte: Gospel Prime

No Uzbequistão é crime possuir uma Bíblia

No Uzbequistão é crime possuir uma Bíblia ou orar junto com outras pessoas

Uma mulher chegou a ser espancada e o hospital se recusou a atendê-la por causa de sua fé
No Uzbequistão é crime possuir uma Bíblia ou orar junto com outras pessoas

Em Uzbequistão, país da Ásia Central,  os cristãos continuam a sofrer perseguição. Para se ter uma ideia possuir uma Bíblia pode ser considerado um crime grave e as pessoas pegas com o livro são espancadas ou condenadas a pagar uma multa.

Em maio uma mulher foi espancada em sua casa por fazer parte de um grupo cristão, ferida ela foi levada ao hospital que se recusou a oferecer tratamento médico à mulher.

Outro caso recente que também foi noticiado pelo Fórum 18 foi uma sentença dada pelo tribunal de Takesh que ordenou que a cristã Galina Shemetova pagasse uma multa por ter presenteado um amigo com uma Bíblia para crianças. Acusada de proselitismo, a moça chegou a ser espancada pela polícia.

Em 14 de abril, o cristão Anvar Rajapov, morador de Tashkent, também foi condenado a pagar uma multa 80 vezes maior que seu salário mínimo, isso porque a polícia encontrou livros religiosos em sua casa. Durante aquele mês a polícia prendeu vários cristãos por portarem Bíblias e textos religiosos.

A Comissão da Convenção das Nações Unidas contra a Tortura relatou que a violência no país, as torturas e ameaças contra a liberdade religiosa são “normais”. A lei sobre a liberdade religiosa torna ainda mais difíceis as reuniões e atividades cristãs nas casas.

Fonte: Gospel Prime
Com informações Portas Abertas

quinta-feira, 23 de junho de 2011

550 mil fiéis participaram do Centenário da AD em Belém

550 mil fiéis participaram das comemorações do Centenário da Assembleia de Deus em Belém

As comemorações superaram todas as expectativas dos coordenadores que consideram as festas como um marco na história da igreja
550 mil fiéis participaram das comemorações do
Centenário da Assembleia de Deus em Belém

Entre os dias 16 e 20 de junho cerca de 550 mil pessoas estiveram presente nas comemorações do Centenário da Assembleia de Deus que aconteceu na cidade de Belém do Pará.

Os eventos aconteceram no Centro de Convenções Centenário, no Estádio Olímpico do Mangueirão e na Praia do Outeiro onde 1800 pessoas foram batizadas.

As comemorações superaram todas as expectativas dos coordenadores, que se surpreenderam com a quantidade de pessoas que participaram da programação. Além das inaugurações, batismo e apresentações musicais, a festividade contou também com a presença de pregadores nacionais e internacionais, como o pastor Silas Malafaia e o alemão Reinhard Bonnk.

“O Centenário superou todas as expectativas. Nossas, de organizadores, da nossa comunidade. Tivemos um público maior do que imaginávamos. Isso ficou provado visualmente no Mangueirão, no Centro de Convenções e em todos os lugares, sem falar nas pessoas que não puderam entrar”, disse o pastor Samuel Câmara, presidente da Assembleia de Deus.

Caravanas vindas de diversos estados do Brasil, como Bahia, Rio de Janeiro e Minas Gerais, acompanharam a festividade dos 100 anos de história da Igreja-mãe. Outro marco foi a presença dos familiares dos missionários Daniel Berg e Gunnar Vingren, fundadores da Igreja, que acompanharam toda a programação de aniversário.

Para o pastor Samuel Câmara a celebração do Centenário termina deixando uma lição para os assembleianos. “A Assembleia de Deus quando desafiada e mobilizada responde muito bem, e que a comunidade respeita e gosta do trabalho e do povo”, afirmou o presidente da Assembleia de Deus.

Fonte: Gospel Prime

Mobilização para sexo depois do casamento no web

#EuEscolhiEsperar Mobilização para sexo depois do casamento chama atenção na internet

Durante a noite da segunda e durante toda a terça-feira a hashtag #EuEscolhiEsperar foi uma das mais comentadas no Twitter
#EuEscolhiEsperar Mobilização para sexo
depois do casamento chama atenção na internet

A Mobilizando o Brasil, uma ONG sem vínculos denominacionais promove uma mobilização bastante relevante para os dias atuais, trata-se do movimento Eu Escolhi Esperar que encoraja jovens solteiros a ter relações sexuais somente depois do casamento.

A MOB trabalha com este tema há mais de 20 anos, promovendo acampamentos, cultos e seminários sobre esse e outros temas relevantes para adolescentes e jovens.

Esses encontros geralmente são ministrados pelo pastor Nelson Júnior, que também é teólogo e um dos coordenadores da Mobilização Eu Escolhi Esperar, além desse tema o pastor também trabalha outros projetos como “Amigos do Noivo”, “Pureza e Santidade”, “Adoração e Intercessão” entre outros.

Na última segunda-feira, 20, a MOB realizou uma Twitcam (transmissão de vídeo ao vivo pelo Twitter) do quadro chamado #PapoAberto, um programa web que fala exclusivamente sobre amor, relacionamentos, sexo, namoro, corte, noivado e etc. A transmissão começou por volta das 21h e logo a hashtag #EuEscolhiEsperar chegou ao topo dos assuntos mais comentados no microblog.

O programa teve a participação especial do cantor e compositor Marcos Almeida, da banda Palavrantiga que possuí uma música chamada “Esperar é caminhar”.

Entre mensagens de gozação e chacotas, muitos internautas se manifestavam dizendo que optaram em participar dessa escolha de esperar até o casamento para ter relações sexuais.

Aliás, o maior objetivo da MOB é ajudar os jovens que já decidiram esperar. “Muitas pessoas já tomaram a decisão de ‘esperar no Senhor’, porém não é uma decisão fácil. E manter o compromisso para muitos se torna um fardo pesado,” disse Nelson Júnior.

Para saber mais sobre essa mobilização acesse: http://www.euescolhiesperar.com/.

Fonte: Gospel Prime

criação do Dia do Orgulho Hetero e causa polêmica


Vereador evangélico propõe criação do Dia do Orgulho Hetero e causa polêmica

Tema causa discussão no Twitter e evangélicos são atacados
Vereador evangélico propõe criação do Dia do Orgulho Hetero e causa polêmica

O vereador evangélico Carlos Apolinário (DEM) colocou em votação na Câmara Municipal de São Paulo a criação de uma data para a comemoração do Dia do Orgulho Heterossexual.

O projeto tem o apoio de outros vereadores evangélicos e soma 28 votos a favor. Se for aprovado,  a data será celebrada todo o terceiro domingo de dezembro.

Entre os vereadores que são contra está o líder do PT, Ítalo Cardoso  que chegou a pedir a suspensão da sessão, ele chegou a dizer que não votaria mais em nada se o projeto não fosse retirado da pauta.

Apolinário briga há três anos para impedir a realização da Parada do Orgulho LGBT que acontece na Avenida Paulista.

 

Projeto vira tema no Twitter

No Twitter milhares de pessoas começaram a discutir o projeto de Apolinário, a grande maioria postava ofensas e criticava a heterossexualidade como se ela fosse algo a ser “banido” da população.
Quem também se manifestou sobre o projeto foi o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) um dos parlamentares que mais luta pelas causas homossexuais. “Orgulho Hetero é fruto da fé cega, faca amolada,” escreveu o ex-BBB que fez uma postagem em seu blog na Carta Capital dizendo que a Bíblia é um texto literário escrito em época diferente da nossa.

Ainda no Twitter o deputado retransmitiu uma série de frases atacando as igrejas. “Talvez esteja na hora de nos metermos também nos assuntos da igreja, tipo, Tributação em cima das fortunas arrecadas?” Dizia uma das mensagens. “Essa falsa bancada evangélica só quer promoção,” escreveu outro internauta.

Fonte: Gospel Prime

terça-feira, 21 de junho de 2011

Corregedora do TJGO cassa decisão de juiz que anulou

Corregedora do TJGO cassa decisão de juiz que anulou união homoafetiva em Goiás

A desembargadora também quer levar o caso para a Corte Especial do tribunal
Corregedora do TJGO cassa decisão de juiz
que anulou união homoafetiva em Goiás

A desembargadora Beatriz Figueiredo Franco, do Tribunal de Justiça de Goiás (TJGO), cassou decisão do juiz goiano que anulou a união estável de um casal homossexual e proibiu os cartórios do estado de emitir outros contratos de união estável.

O juiz Jerônymo Pedro Villas Boas, da 1ª Vara da Fazenda Pública Municipal e de Registros Públicos de Goiânia, anulou na última sexta-feira, 17,  a união estável do estudante Odílio Torres com o jornalista Leo Mendes, que se uniram no dia 9 de maio, alegando que a decisão do Supremo Tribunal Federal é inconstitucional.

Villas Boas também determinou que os cartórios da cidade só realizem a união entre pessoas do mesmo sexo se houver decisão judicial que reconheça expressamente o relacionamento do casal.

Agora a desembargadora quer levar o caso para a Corte Especial do tribunal para decidir se abre processo disciplinar contra o juiz. A corregedora do TJGO vai entrar com o pedido nesta quarta-feira.

Fonte: Gospel Prime
Com informações Agência Brasil

Padres e pastores que lutam em prol dos direitos

Padres e pastores que lutam em prol dos direitos dos homossexuais irão participar da Parada Gay

Representantes de várias religiões estarão protestando contra parlamentares e líderes religiosos que são contra a homoafetividade
Padres e pastores que lutam em prol dos direitos dos homossexuais irão participar da Parada Gay

A entidade ecumênica Koinonia  está organizando uma caminhada ecumênica na Parada Gay,  que acontece no próximo domingo, 26, onde cerca de 200 pessoas devem se juntar ao grupo composto por pastores, padres, mães e pais de santo, seminaristas e leigos católicos e evangélicos para disseminar o discurso anti-homofóbico.

Juntos eles darão voz contra  parlamentares cristãos e líderes religiosos que travaram uma batalha com os representantes de direitos humanos e de grupos homossexuais para barrar leis e projetos que beneficiem a homoafetividade e também tentam barrar proposta como o PL 122 que criminaliza toda opinião contrária ao homossexualismo.

De acordo com uma matéria da Revista Isto É, a Paróquia da Santíssima Trindade da Igreja Episcopal Anglicana do Brasil, no centro de São Paulo realiza batismo de homossexuais e a comunidade gay é bem recebida pelos heterossexuais. Isso acontece  desde que o pernambucano Arthur Cavalcante assumiu como pároco, em 2005.

“Foi difícil tratar da diversidade sexual, falando para casais protestantes de 50 anos, com todo o peso religioso e a história cultural já vigentes”, conta ele que é um dos presentes ao evento do dia 26.

Além de Arthur Calvacante, o padre inglês James Alison, que mora no Brasil, também estará na Parada Gay. Ele gerou polêmica quando se assumiu como homossexual diante da Igreja Católica que condena a prática e também impõe o celibato aos seus sacerdotes.

“A proporção de gays no clero é muitíssimo maior do que os 4% presentes na sociedade”, diz ele, que, entre outros afazeres, corre o mundo dando palestras em retiros para padres gays.

Fonte: Gospel Prime
Com informações IstoÉ
Ocorreu um erro neste gadget

sate da radio

sate da radio
"Evangelizando Povos e Nações"