chat da radio gospel hits brasil

Filme: "Renúncia, Suas escolha definem seu futuro"

sexta-feira, 27 de junho de 2014

Jovem com doença degenerativa vive história de superação e se torna pastor evangélico


Jovem com doença degenerativa vive história de superação e se torna pastor evangélico

O jovem Yago Jonas de Oliveira, de 22 anos, nasceu com uma grava doença degenerativa que impede que os músculos se desenvolvam. Tendo que lutar por sua vida desde criança, Yago Jonas, como é mais conhecido, superou todas as expectativas médicas e encontrou na fé o seu caminho de superação. Apesar de todas as dificuldades, Yago foi recentemente ordenado como pastor evangélico.

Nascido em Natal (RN), o jovem apresentava falta de rigidez muscular desde o começo da sua vida. Com apenas 17 dias de nascido, ele foi levado por sua avó e sua mãe ao médico quando elas perceberam o problema.

- Eu peguei nele e a gente sente. Aí deixei passar uns três dias e nada. Ele não tinha impulso nenhum. Quando a gente coloca o menino na água fria, ele dá aquele sopapo, mas ele ficava ali bem molinho – contou Maria de Fátima Oliveira, avó de Yago, segundo o site local Jornal de Hoje.

Desde então, os médicos começaram a investigar o caso mas, devido à falta de recursos em Natal, a confirmação de que ele sofria de atrofia só veio com a ajuda do Hospital Sara Kubitschek, em Brasília, referência em reabilitação de pessoas com problemas motores. Só quando Yago já tinha três anos de idade que a doença foi confirmada e ele foi oficialmente diagnosticado com atrofia muscular espinhal do tipo dois.

Até os oito anos, ele passou por tratamento de fisioterapia, e o Centro de Reabilitação Infantil (CRI) encerrou seu tratamento afirmando que “não havia mais possibilidade de resultados”, segundo conta Adriana Oliveira, mãe do jovem.

Adriana revela que a história de sua família começou a mudar quando ela se voltou para Deus. Ela conta que estava longe da religião desde que Yago nasceu, e que seu retorno à fé foi tortuoso e só se deu após uma depressão.

- Foram três meses de angústia na minha vida, eu não abria nem os olhos mais. Perdi mais de 15 quilos num mês, ficava só deitada – conta Adriana, que revela ainda que a doença do filho foi o que a levou à exaustão, a ponto de ficar deprimida.

- Eu sempre fui a enfermeira dele durante a noite, eu não conseguia mais dormir. Também pelo esforço físico, eu não conseguia mais dar banho nele. É tanto que nesse meu processo, paguei uma pessoa para dormir com ele – completou.

Ela conta que a sua cura veio depois de ter voltado para a “ouvir a palavra de Deus”. Foi então nesse momento, seis anos atrás, que Yago decidiu dedicar sua vida ao evangelho. De acordo com Adriana, desde então, sua situação tornou-se mais suave.

No início desse ano, Yago Jonas foi ordenado como pastor de jovens e adolescente na Igreja Palavra da Fé, denominação que frequenta desde os 16 anos. Ele conta que após dois anos e meio na Igreja começou sua caminhada para se tornar pastor.

- A primeira vez eu preguei 15 minutos, geralmente é uma hora e uma hora e meia – afirma Yago, que nunca tinha pensando antes em “cuidar das ovelhas do Senhor”.

Hoje, além de atuar com pastor em sua igreja também já foi convidado para pregar em outras igrejas em Parnamirim, Canguaretama, Vera Cruz e Extremoz. Desse modo, o jovem tem levado sua lição de vida para toda a comunidade evangélica da Região Metropolitana mesmo sobre uma cadeira de rodas.

Superação e Fé


Apesar da gravidade de sua doença, e dos prognósticos médicos, Yago tem superado até mesmo as previsões de vida dadas pelos médicos. Inicialmente, os médicos disseram que ele não passaria dos sete anos. Depois, a nova previsão foi que ela não passaria dos 15. Hoje, ele está com 22 anos.

Motivada pela fé, Adriana acredita que no desenvolvimento dos músculos do filho mesmo sem tratamento algum.


- A enfermidade estacionou. Hoje nós estamos crendo num milagre – afirma, esperançosa.

Fonte: Gospel+

Meriam foi presa em aeroporto acusada de falsificação


Meriam foi presa em aeroporto acusada de falsificação
Meriam foi presa em aeroporto acusada de falsificação

A sudanesa Meriam e seu esposo, Daniel Wani, foram presos com seus dois filhos no começo desta semana ao tentarem sair do país. Meriam esteve presa por ter deixado o Islã e por ter se casado com um cristão.
A prisão da família no aeroporto durou algumas horas e segundo o porta-voz do departamento de Estado dos EUA, Marie Harf, o motivo foi os documentos da família.

Os passaportes foram emitidos pelo Sudão do Sul, mas o voo sairia de Cartum, no Sudão, onde as autoridades suspeitaram de falsificação. Os advogados foram acionados e precisaram intervir, Daniel é do Sudão do Sul e todos os seus documentos e de sua família são originais.

Meriam ficou presa em seu país por ter seguido a religião de sua mãe, que era cristã, e não a de seu pai, que era muçulmano. O governo entendeu que ela negou a religião do Estado e a condenou à morte.

O casamento entre Meriam e Daniel, que também é cristão, não foi reconhecido pelo Sudão que a condenou por “adultério” e antes de morrer ela receberia 100 chibatadas por este “crime”.

A pressão internacional funcionou para a libertação de Meriam que teve seu segundo filho na prisão onde aguardava a execução das penas. O governo acabou cedendo e libertou a sudanesa.

O governo americano está acompanhando de perto o caso, pois a família deixará o Sudão para morar nos Estados Unidos.”O governo do Sudão afirmou aos Estados Unidos que Meriam e seu marido estavam a salvo”, comentou Harf de acordo com a BBC.


Uma fonte do Ministério de Relações Exteriores sudanês afirmou que o problema era que Meriam estava com um documento emitido por outro país que não o dela de origem. Assim que o documento fosse emitido a família poderia seguir com a viagem. Com informações Portas Abertas

Fonte: Gospel Prime

Conheça os 8 grupos menos evangelizados no Brasil


Conheça os 8 grupos menos evangelizados no Brasil
Conheça os 8 grupos menos evangelizados no Brasil

Nas últimas décadas o número de evangélicos no Brasil saltou de 26,2 milhões em 2000 para 42,3 milhões de pessoas em 2010 segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mas apesar do crescimento, há muitas áreas em nosso país que não foram evangelizadas e a revista Ultimato fez um levantamento mostrando onde estão esses povos.

A lista foi divulgada no site da revista mostrando oito segmentos, sendo sete deles socioculturais e um socioeconômico.

O primeiro grupo é formado pelos indígenas brasileiros. De acordo com a revista, há 117 etnias sem a presença missionária, ou seja, milhares de pessoas que não conheceram o Evangelho. Esses indígenas moram no Norte e no Nordeste do país.

Os ribeirinhos da região amazônica também fazem parte dos menos evangelizados. São 37.000 comunidades que vivem na bacia amazônica formada por centenas de rios e igarapés e cerca de 10.000 delas não possuem nenhuma igreja evangélica.

Os ciganos que residem no Brasil também não foram evangelizados, principalmente os da etnia Calon que possui 700.000 pessoas, destes apenas 1.000 se declaram crentes no Senhor Jesus. Esses ciganos vivem em comunidades nômades, seminômades ou sedentárias em pequenas cidades do Brasil.

Os sertanejos também não foram alcançados pela mensagem do Evangelho. A Igreja brasileira já se despertou para a importância de levar a salvação para o povo do sertão nordestino, mas há 6.000 assentamentos que não possuem nenhuma igreja evangélica.

O quinto grupo citado pela publicação são os quilombolas que possuem cerca de 5.000 comunidades no Brasil. Descendentes de africanos, esses grupos se alojam em áreas mais ou menos remotas e aproximadamente 2.000 dessas comunidades não foram alcançadas pelo Evangelho.

Colônias de imigrantes também são pouco evangelizadas. Há mais de 100 países bem representados no Brasil, sendo mais de 300.000 mil pessoas. Muitos deles vieram de países onde não há liberdade religiosa e mesmo em nossas terras eles não foram evangelizados. Esses imigrantes vivem em São Paulo, Brasília, Foz do Iguaçu e Rio de Janeiro.

O sétimo grupo é formado por surdos ou com outras limitações de comunicação. São mais de 9 milhões com dificuldades de se comunicar e apenas 1% delas se declara evangélica.


Infelizmente há pouquíssimos missionários especializados em evangelizar os surdos no Brasil. O oitavo e último grupo tem característica socioeconômica, são os mais ricos e os mais pobres da sociedade brasileira. O Evangelho não consegue alcançar esses dois extremos, sendo que em alguns estados o número de evangélicos entre os mais ricos e os mais podres é de até três vezes menor que nas outras classes sociais.

Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 25 de junho de 2014

Pré Aviva Ouro Preto

Pré Aviva veja como foi o Encerramento


O conjunto vocal Novo Viver da Igreja Evangélica Assembleia De Deus do Setor Ademir Ribeiro
Realizou neste final de semana 21 e 22 de Junho O PRE AVIVA

E no ultimo dia esteve pregando o presbítero Leandro do setor novo horizontee no final do culto, oito alma se renderam aos pés de Jesus.

Citou o segundo dirigente dos Jovens, Irmão Evaldo “que esse só foi o pré Aviva e que aguardem o Avivamento em Cristo”

Veja as fotos

Fonte: Ouropretocritão

PSOL ignora Wyllys e garante candidatura de pastor ligado a Malafaia


PSOL ignora Wyllys e garante candidatura de pastor ligado a Malafaia
PSOL ignora Wyllys e garante candidatura de pastor

Após ter sido barrado pelo diretório estadual do Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) o pré-candidato Jefferson Barros conseguiu reverter o veto a sua candidatura a deputado federal junto à convenção nacional do PSOL.

O ativista gay e deputado federal Jean Wyllys havia conseguido o veto da candidatura do pastor no Rio de Janeiro após ameaçar não se candidatar a reeleição caso Jefferson disputasse um cargo eletivo pelo PSOL.
O ex-BBB passou a perseguir Jefferson após descobrir que ele havia sido indicado pelo Pastor Silas Malafaia. Wyllys chegou a causar constrangimento entre seus correligionários do Rio de Janeiro por seus discursos contra a candidatura do pastor Jefferson.

Wyllys acusa Barros de ser um militante infiltrado de Silas Malafaia para impedir a sua reeleição, já que o parlamentar recebeu pouco mais de 13 mil votos em 2010 e só foi eleito graças ao desempenho do deputado federal Chico Alencar, do seu partido, que conquistou 240.671 (3%) dos votos e foi o segundo mais votado em todo Estado.

Se Barros superar o número de votos de Wyllys na próxima eleição, o parlamentar poderá não conseguir sua reeleição, já que o partido dispõe de apenas duas vagas na Câmara dos Deputados e Chico Alencar também concorrerá à reeleição.

Crise e Veto


A crise no partido se agravou no Rio de Janeiro com a manifestação de apoio dos deputados Chico Alencar e Marcelo Freixo a Wyllys. Os parlamentares também são contra a candidatura do pastor Jefferson e assinaram uma nota pedindo a saída do pré-candidato do PSOL.


A candidatura do pastor havia sido barrada no Estado do Rio por 55 votos contrários e apenas 7 favoráveis.

Fonte: Gospel Prime

STF julgará se Marco Feliciano será processado por homofobia


STF julgará se Marco Feliciano será processado por homofobia
STF julgará se Marco Feliciano será processado por homofobia

A Procuradoria Geral da República (PGR) defende a abertura de uma ação penal contra o deputado federal Marco Feliciano (PSC-SP) pelo crime de discriminação contra homossexuais.  O Supremo Tribunal Federal (STF) decide nesta quarta-feira se acata o relatório do ministro Marco Aurélio Mello.

O que deu origem ao caso contra o parlamentar foi uma afirmação feita em 2011 em sua conta no Twitter. Ele escreveu que “a podridão dos sentimentos dos homoafetivos leva ao ódio, ao crime, à rejeição”. O deputado escreveu em outra ocasião que “africanos descendem de ancestral amaldiçoado por Noé. Isso é fato. O motivo da maldição é polêmica” e também que “sobre o continente africano repousa a maldição do paganismo, ocultismo, misérias, doenças oriundas de lá: ebola, Aids. Fome…”.

Contudo, a denúncia por discriminação só ocorreu em janeiro de 2013, após ele assumir a Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara.

Desde abril do ano passado, a PGR pede que Feliciano seja julgado por “discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência”. Se condenado, pode resultar de um a três anos de prisão. Oficialmente não existe no Código Penal o crime de homofobia.

Mesmo assim, a Procuradoria quer responsabilizar Feliciano pelo que escreveu na rede social como crime de racismo e “revela o induzimento à discriminação dos homossexuais em razão de sua orientação sexual”.

Marco Feliciano se defende, negando que tenha sido preconceituoso ou racista. Nos autos do inquérito, afirmou que suas frases consideradas como racismo eram interpretações do livro de Gênesis. O deputado acredita que algumas entidades tiveram interpretações equivocadas de suas colocações.


O inquérito contra Feliciano, que será julgado hoje pelo Supremo poderá fazê-lo ser réu novamente. Mês passado, ele foi inocentado no STF do processo onde era acusado de estelionato. O motivo da ação foi um contrato de março de 2008, onde ele cobrou R$ 13,3 mil de uma produtora de shows evangélicos do Rio Grande do Sul mas não fez o evento. Mesmo tendo devolvido o cachê, a produtora pedia ressarcimento por causa dos prejuízos que teve com o cancelamento do evento.

Fonte: Gospel Prime

Cristãos indígenas deixam suas casas para não negarem a Cristo


Cristãos indígenas deixam suas casas para não negarem a Cristo
Cristãos indígenas deixam suas casas para não negarem a Cristo

Indígenas cristãos da Columbia tiveram que deixar suas casas e partirem sem rumo pelo país para não negar sua fé em Jesus.

De acordo com o ministério Portas Abertas, 139 indígenas foram procurados por autoridades do governo para renunciarem sua fé em Jesus. Sob ameaça de tortura, o grupo assinou o termo e logo depois se arrependeu e tiveram que abandonar suas casas para não sofrerem as retaliações.

“Apesar de ser ameaçado a tortura, eu não renuncio Jesus”, disse um dos cristãos indígenas. “Eu fiz minha decisão de segui-lo”.

A fuga aconteceu em abril de 2013 e o grupo precisou contar com a generosidade de desconhecidos para poder sobreviverem sem casa e sem trabalho.

Um proprietário de terra chegou a oferecer uma parte de seu terreno para que eles pudessem habitar, mas depois de 10 meses forçou-os a deixarem o local por não concordar com a prática religiosa cristã como cultos e a leitura da Bíblia.

Depois de serem expulsos da fazenda o grupo conseguiu se estabelecer em um vilarejo chamado El Pital, próximo a Potrerito, onde vivem em casas improvisadas feitas de pedaços de madeiras e plástico.

As condições de vida nessa nova vila são instáveis e as casas não são tão boas quanto as que eles tiveram que deixar para trás por conta da pressão contra o cristianismo.


O ministério Portas Abertas lembra que a Colômbia é 25º país no ranking de perseguição aos cristãos e pede oração dos cristãos brasileiros para que esses 139 indígenas consigam achar um local para viver.

Fonte: Gospel Prime

Me viram como uma maneira de promover ativismo gay, diz Feliciano no Superpop


Me viram como uma maneira de promover ativismo gay, diz Feliciano no Superpop
"Me viram como uma maneira de promover ativismo gay" 

  O programa “SuperPop”, da Rede TV!, exibiu nessa segunda-feira (23) a entrevista gravada com o deputado pastor Marco Feliciano (PSC-SP) onde ele comentou sobre as polêmicas em que esteve envolvido ao se tornar presidente da Comissão de Direitos Humanos e Minorias (CDHM) da Câmara.

Feliciano tentou esclarecer desde o começo que não é contra os gays, mas que o ativismo achou por bem protestar contra a sua eleição na CDHM pagando “manifestantes” para tumultuarem as sessões.

O deputado também comentou a sua opinião a respeito do homossexualismo, dizendo que estudou por mais de um ano sobre o tema. Assim como já declarou outras vezes, Feliciano afirmou no programa que uma pessoa não nasce gay.

Questionado pela apresentadora Luciana Gimenez se ele não teria que estar a favor dos gays como presidente da CDHM, o deputado precisou explicar que há mais de 1000 minorias no Brasil que nunca foram assistidas, porque a Comissão sempre tratou dos homossexuais, se esquecendo, por exemplo, dos quilombolas e dos índios.

O tema foi debatido ao longo de todo o programa e o pastor precisou explicar também que o projeto apelidado de “cura gay” não era de sua autoria e que nem prometia curar gays.

“Eu nem pude votar no projeto, era apenas o presidente da Comissão, não existe cura gay por que isso não é doença”, afirmou o político. O projeto de decreto legislativo era de autoria do deputado João Campos (PSDB-GO).

“A homossexualidade é um fenômeno de comportamento”, disse lembrando que a Conselho Federal de Psicologia impede os profissionais brasileiros de pesquisarem esse comportamento para entender melhor. O projeto de João Campos mudaria essa resolução do CFP.

Outros assuntos também foram tratados no programa, como as críticas que o deputado recebeu de artistas por conta de suas declarações que foram deturpadas pela imprensa. Feliciano também criticou os humoristas do “Porta dos Fundos” dizendo que eles precisam ter um limite.

Fonte: Gospel Prime

Ex-muçulmana convertida é presa no aeroporto quando deixava o Sudão

Ex-muçulmana convertida é presa no aeroporto quando deixava o Sudão
Meriam é presa no aeroporto quando deixava o Sudão 

Uma reviravolta no caso de Meriam Ibrahim ocorreu no aeroporto de Cartum, capital do Sudão. Enquanto ela, o esposo e os dois filhos se preparavam para deixar o país com destino aos EUA, ela voltou a ser presa.

Cerca de 40 agentes de segurança detiveram Ibrahim, juntamente com seu marido, Daniel Wani e as duas crianças sem apresentar novas acusações. Ela foi inocentada das acusações de blasfêmia e adultério pelo tribunal e se livrou da pena de morte. Na cadeia desde agosto de 2013, o caso de Mariam teve ampla repercussão após ela ter renunciado ao Islã, tornando-se cristã e ser condenada a forca.

Ela foi presa grávida, deu à luz uma filha na prisão, e sua situação foi alvo de protestos de grupos cristãos e de defesa dos direitos humanos no mundo todo. Com sua liberação, muitas autoridades internacionais saudaram a “vitória” da liberdade religiosa no Sudão. Parece que estavam enganados.

Segundo a BBC, a família foi levada para a sede de uma das agências de segurança do Sudão, mas não há informações se ela voltará para a cadeia e qual o motivo da prisão.


O Sudão tem uma população de maioria muçulmana, e a lei islâmica está em vigor há desde os anos 1980

Fonte: Gospel Prime

quarta-feira, 11 de junho de 2014

Episódio da série Carandiru mostra ex-presidiário que se torna pastor


Episódio da série Carandiru mostra ex-presidiário que se torna pastor
Série Carandiru mostra ex-presidiário que se torna pastor

O programa “Carandiru – Outras Histórias” desta terça-feira (10) contou a história de um ex-presidiário do Carandiru que se tornou pastor evangélico, mas não consegue emprego por conta de seu passado.

Interpretado por Robson Nunes, Dadá, a personagem principal do episódio “Além da Imaginação”, vai conseguir se salvar do massacre do Carandiru (1992) ao se fingir de morto entre os cadáveres e quando sai da cadeia se torna evangélico.

Dadá não tem estudo, nem grandes experiências profissionais, mesmo assim, decidido a sair do mundo do crime ele consegue uma oportunidade de emprego em uma oficina mecânica.

Nesse trabalho o ex-presidiário terá que cuidar de carros importados até que recebe a visita de Capote (Vanderlei Bernardino), um ex-amigo de sela que continua no mundo crime.

Dadá então recebe um convite para se juntar a Capote, Flavinho (Rafael Primo) e Santão (Aldo Bueno), líder da quadrilha, para assaltar alguns veículos.

A série “Carandiru – Outras Histórias” é transmitida pelo Canal Viva e apresenta histórias sobre os bastidores do maior presídio da história do Brasil e da América Latina.

Fonte: Gospel Prime

Pastor Behnam Irani, preso no Irã desde 2010, desaparece de sua cela; Família suspeita de execução


Pastor Behnam Irani, preso no Irã desde 2010, desaparece de sua cela; Família suspeita de execução

O pastor Behnam Irani, preso no Irã desde 2010, estaria desaparecido da penitenciária onde cumpria a sentença de seis anos por conta de suas atividades evangelísticas no país. Ativistas de Direitos Humanos temem que o pastor tenha sido levado para ser espancado e/ou torturado e deixado para morrer.

No país, esse método é conhecido como “execução silenciosa”, pois os prisioneiros não recebem assistência médica e as autoridades relatam suas mortes como oriundas de “causas naturais”.

Segundo informações do site Gatestone, o pastor Behnam Irani foi retirado à força de sua cela às 6:30 da manhã do dia 07 de junho de 2014. Fontes relatam que foi dito ao pastor que ele estava sendo levado para uma audiência de processos judiciais, e que ele seria levado de volta à prisão em breve.

No entanto, ele nunca foi levado ao Tribunal ou voltou para sua cela. A família e companheiros de cela temem por sua segurança, uma vez que seu paradeiro é desconhecido e todas as informações sobre o que houve está sendo negada.

Na época de sua prisão, em 14 de abril de 2010, as forças de segurança invadiram sua casa, e o prenderam na frente de sua família. Após um rápido julgamento, Behnam foi condenado a cinco anos de prisão, mas recebeu um ano adicional, totalizando seis anos.

A República Islâmica do Irã está entre os 10 países com extrema perseguição aos cristãos. Um detalhado relatório do Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas divulgado em março de 2014 aponta que o país continua a aprisionar os cristãos por sua fé, e menciona também a hostilidade do Estado iraniano com judeus e praticantes de outras religiões minoritárias no país.


O senador dos Estados Unidos Mark Kirk comentou o documento numa entrevista à Fox News e frisou que algo precisa ser feito em prol da liberdade religiosa no Irã: “Este relatório é como um lembrete importante sobre a verdadeira natureza do regime iraniano… Não podemos fingir que estamos negociando com os moderados ocidentais – estamos a negociar com os radicais islâmicos que perseguem mulheres, cristãos e outras minorias religiosas e étnicas, apesar de negar a todos os seus cidadãos os Direitos Humanos básicos – incluindo a liberdade de expressão e de reunião”

Fonte: Gospel+

Tribo indígena formada por maioria evangélica enfrenta mudança de costumes e sonha em gravar CD de música gospel; Assista

Tribo indígena formada por maioria evangélica enfrenta mudança de costumes e sonha em gravar CD de música gospel; Assista

O trabalho missionário junto às tribos indígenas tem rendido frutos e uma tribo da aldeia Kumenê, na reserva de Uaçá em Oiapoque, a 590 quilômetros de Macapá (AP), é formada em sua maioria por evangélicos.
“Somos evangélicos. A maioria da aldeia é crente”, diz o cacique Azarias Ioio Iaparrá, de 50 anos, que relatou também a abolição de alguns costumes como andar nu, ingerir bebidas fortes e fazer danças típicas, além de questões religiosas, como as feitiçarias dos pajés.

Ao G1, Iaparrá, que lidera a tribo indígena da etnia Palikuré, admitiu que apesar de seu povo estar no meio da floresta amazônica,  acabaram influenciados pela “cultura do homem branco”.

“Os missionários explicaram pra gente que Jesus era o único salvador e que Deus fez o céu e a terra. Primeiro não acreditamos muito, mas depois começamos a aceitar a Palavra e fomos nos batizando nas águas”, contou o pastor indígena Florêncio Felício, 55 anos, explicando como deixaram de crer que a natureza fosse um deus.

Felício é evangélico desde os 25 anos de idade, e lidera a única igreja evangélica da aldeia, construída por missionários nos anos 1990, e que resultou numa maior proximidade entre os aldeões. “Cada família tinha a própria aldeia, mas depois dos missionários passamos a viver mais próximos, como se fosse uma única família”, comenta o cacique Iaparrá.

“Aprendemos a falar português porque era a língua dos brancos e assim também poderíamos nos comunicar melhor com os missionários”, acrescenta o cacique, que lamenta a desfiguração cultural de seu povo: “Eu vi que a gente não deveria deixar a nossa cultura, mas já perdemos muitas coisas. Crianças que não sabem nem dançar, por exemplo”.

Essa perda cultural foi a responsável por afastar Fernando Iaparrá, 37 anos, da igreja. Ele diz que abandonou a porque as proibições mudaram as raízes: “Eu gosto de beber o caxixi. Mesmo não tendo mais na aldeia, sou contra essa proibição. Por isso decidi deixar”, afirmou, referindo-se à bebida fermentada produzida por índios a partir da mandioca.

Com a perda de parte dos costumes indígenas, a tribo adquiriu novos, como por exemplo, o gosto pela música gospel. A igreja da tribo tem uma banda chamada Missão Gideão, formada apenas por índios e que há 20 anos toca nos cultos da igreja. “Temos um material autoral que precisamos colocar em um CD. Mas por causa da dificuldade financeira e distância, ainda não conseguirmos viajar”, lamentou Sofonias Hipólito, 39 anos, um dos músicos. “Peço todo dia para Deus nos ajudar a sair da aldeia. Temos muitos hinos e queremos mostrar nosso trabalho”, concluiu.



Fonte: Gospel+

Evangélico, prefeito de cidade baiana causa polêmica ao estampar frase “Deus é Fiel” na sede da prefeitura


Evangélico, prefeito de cidade baiana causa polêmica ao estampar frase “Deus é Fiel” na sede da prefeitura

O uso da frase “Deus é Fiel” no patrimônio da prefeitura da cidade de Belo Campo (BA) tem gerado polêmica entre os cidadãos e a imprensa da região, que questiona se a expressão de fé não feriria a laicidade do Estado.

O prefeito de Belo Campo, Cezar Ferreira (PSD), é evangélico, e quando foi abordado sobre o assunto, questionou se era errado usar a frase de gratidão: “É pecado colocar o nome de Deus?”, perguntou.

A cidade de Belo Campo possui 20 mil habitantes e faz parte da região de Vitória da Conquista, localizada a 616 km da capital Salvador.

Ferreira vem enfrentando problemas com a Justiça Eleitoral por conta de suspeita de compra de votos nas eleições de 2012. Em abril deste ano, seu mandato foi cassado, porém ele recorreu da sentença e foi recolocado no cargo até que o caso seja julgado pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

No entanto, o prefeito já tem planos para o futuro, independentemente do resultado do julgamento: “Vou me aposentar. Serei pregador do evangelho”, disse o político ao blog do Anderson, página dedicada à política do sudoeste baiano.

Estado laico

O debate sobre a presença de símbolos religiosos em repartições públicas vem sendo feito há alguns anos no cenário nacional.
Em 2011, o Ministério Público Federal (MPF) moveu ação pedindo a retirada da frase “Deus Seja Louvado” das cédulas da moeda nacional, porém a Justiça Federal negou o pedido, lembrando que a Constituição Federal traz em seu conteúdo a afirmação de que ela foi concebida “sob Deus”.

Já em 2013 a Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão do MPF entrou com uma ação solicitando a retirada de todos os símbolos religiosos de repartições públicas federais em São Paulo, porém a Justiça negou o pedido.

Fonte: Gospel+

Agência Missionária Salvar promove atividades na África Ocidental



Agência Missionária Salvar promove atividades na África Ocidental
Agência Missionária Salvar promove atividades na África

Países como Guiné Bissau, Guiné Conacri, República de Gâmbia e Senegal, que fazem parte da África Ocidental formam o público alvo da Agência Missionária Salvar que desde 2010 tem trabalhado para levar o Evangelho para milhões de pessoas.

Os trabalhos da Agência começaram quando o pastor Manoel dos Santos, presidente da Igreja Evangélica Assembleia de Deus de Palmas, município ao Sul do Estado do Paraná, foi até o continente africano e percebeu as necessidades daquele povo.

O pastor Claudio Silva e Silva e a missionária Nara Silva e Silva já trabalham a muitos anos naquela região e a ideia é expandir os trabalhos através de alguns projetos que já estão em andamento.

Entre os projetos que contam com o apoio de parceiros, tocados por Deus para ajudar a agência com valores financeiros e com oração, estão: construção de templos, casa de amparo para meninas resgatadas de casamentos forçados, envio de missionários e muito mais.

A África Ocidental está na chamada janela 10/40, uma faixa de terra que vai do oeste africano até a Ásia onde vivem o maior número de povos não-evangelizados, somando cerca de 3,2 bilhões de pessoas em 62 países.

Pelo site oficial da Agência Missionária Salvar é possível acompanhar os trabalhos que já estão sendo realizados através de relatos em textos, fotos e vídeos e também é possível contribuir para que mais missionários sejam enviados para expandir a mensagem do Evangelho para a população africana.
Conheça mais pelo www.agenciamissionariasalvar.com.

Fonte: Gospel Prime

terça-feira, 10 de junho de 2014

Missionário cristão dedica sua vida para evangelizar em regiões onde cristãos são perseguidos e mortos

Missionário cristão dedica sua vida para evangelizar em regiões onde cristãos são perseguidos e mortos

O missionário cristão Chris Franz tem um foco bem específico em seu ministério. Nascido na Alemanha e tendo passado boa parte de sua vida servindo em igrejas na Europa e nos Estados Unidos, Franz tem em seu coração um ardente desejo de pregar e evangelizar em regiões do mundo conhecidas por serem hostis ao cristianismo.

O foco central do ministério de Franz é o trabalho em locais povoados por tribos e grupos de pessoas conhecidas por matar aqueles que seguem o cristianismo. Ele começou o trabalho de seu ministério, Cristo é a Resposta (CITA, da sigla em inglês), em 1998 e desde então já realizou quase 100 cruzadas evangelísticas, que resultaram em milhares de pessoas entregando suas vidas a Cristo.

Segundo o Charisma News, o trabalho de Franz tem também como resultado inúmeros sinais e milagres, e o seu testemunho de já ter pregado em vários dos lugares mais perigosos no mundo para os cristãos. Um de seus recentes trabalhos missionários foi realizado em Wondo Genet, na Etiópia, onde ele viu milhares de pessoas sendo curadas e se convertendo a Cristo.

Seu ministério equipa e apoia uma rede de ministérios e missionários indígenas para plantação de igrejas, e vários destes missionários se tornaram mártires.
- É um preço que devemos pagar – afirma Franz, sobre os muitos missionários que deram suas vidas para evangelizar em terrenos hostis.


- Vivemos em um tempo em que não podemos mais permitir que qualquer coisa, até mesmo a morte, nos impeça de trabalhar nos campos de colheita de Deus. Estamos na última fase do cumprimento da Grande Comissão, e eu acredito que essas regiões do mundo são a última posição. Esta geração precisa ser salva! – ressalta o missionário.

Fonte: Gospel Mais

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Evangélicos perseguem seguidores de religiões afro?

Site renomado diz que intolerância religiosa cresce no Brasil



Evangélicos perseguem seguidores de religiões afro?
Evangélicos perseguem seguidores de religiões afro?

A Index on Censorship [Índice da Censura] é um site dedicado à luta pela liberdade de expressão que acompanha movimentos de censura em todo o mundo. Além disso, a organização internacional publica uma revista sobre o assunto e coordena uma premiação anual para quem se destaca nessa luta. Na maioria das vezes, os contemplados são jornalistas.

Surpreendentemente, a edição de junho colocou o Brasil na capa. Mas nenhuma relação com a Copa. Trata-se de uma “denúncia” do aumento da perseguição religiosa em território brasileiro. Os perseguidores, no caso, são os evangélicos.

O foco maior é a decisão do Google de não acatar um pedido para remover 16 vídeos do YouTube postados por uma igreja com testemunhos de ex-adeptos de religiões afro-brasileiras.

A queixa apresentada pela Associação Nacional de Mídia Afro exigia que o Ministério Público representasse contra o Google no Brasil. Primeiramente, o Google se recusou, argumentando que o material divulgado “era uma manifestação da liberdade religiosa do povo brasileiro” e que os vídeos “não violam a política da empresa”.

Com a recusa, a questão foi levada ao tribunal federal no Rio de Janeiro. Quando o juiz Eugênio Rosa de Araújo negou o pedido, argumentou que eram isso “feriria a liberdade de expressão”. Porém, disse acreditar que “manifestações religiosas afro-brasileiros não se constituem religião”.

A partir daí o foco da mídia recaiu sobre o juiz e não mais sobre a ação. Posteriormente, o juiz voltou atrás reconhecendo umbanda e candomblé como religiões, mas não aceitou a retirada dos vídeos.

Segundo o Index on Censorship, isso acabou encobrindo a verdadeira questão a ser debatida no país: a intolerância religiosa. Ainda mais quando ocorreram protestos por parte de organizações afro-brasileiras em pelo menos sete cidades.

“Estamos organizando um protesto, em Brasília, com várias entidades do país para a mobilização e denúncias em órgãos como a Ordem dos Advogados do Brasil, o Conselho Nacional de Justiça, a Comissão de Direitos Humanos do Congresso e a Organização dos Estados Americanos”, afirmou na época Marcos Rezende, coordenador nacional do Coletivo de Entidades Negras.

A Comissão de Combate à Intolerância Religiosa e a Associação Nacional de Mídia Afro estão agindo politicamente para que material contrário às práticas religiosas afro-brasileira não possam mais ser divulgados. Sua alegação é que isso viola a Declaração Universal dos Direitos Humanos, o artigo 129 da Constituição Federal, e do Estatuto da Igualdade Racial (Lei 12.288/2010). Para eles, o governo deve proteger as comunidades religiosas afro-brasileiras de conteúdo que promova “ódio e desprezo à religião com raízes africanas”.

No Congresso, foi criada por deputados petistas a Frente Parlamentar em Defesa das Comunidades de Terreiro. Seu objetivo declarado é defender as religiões africanas da perseguição, numa “resposta” à Bancada Evangélica.

Não é a primeira vez que representantes do atual governo acusam os evangélicos de intolerância. A ministra da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), Luiza Bairros, afirmou ano passado: “Alguns setores, especialmente evangélicos pentecostais, gostariam que essas manifestações africanas desaparecessem totalmente da sociedade brasileira, o que certamente não ocorrerá”.

Fonte: Gospel prime

sexta-feira, 6 de junho de 2014

Novo relatório indica crescimento na violência contra cristãos


Novo relatório indica crescimento na violência contra cristãos
Novo relatório indica crescimento na violência contra cristãos

O World Watch List (WWL) é uma equipe de pesquisa do ministério Portas Abertas que avalia periodicamente a violência contra cristãos em todos os países do mundo. Uma lista é divulgada a cada ano mostrando onde estão os maiores índices de perseguição por causa da fé em Jesus Cristo. É uma análise diferente do ranking de perseguição, que mostra os 50 países que mais ameaçam os cristãos.

O novo relatório do WWL fez a compilação dos 10 países onde mais cresce a violência. O foco é na intensidade e não na amplitude da perseguição. Ele se baseia em casos registrados pela imprensa entre 1 de novembro de 2012 e 31 de março de 2014. Em primeiro lugar aparece a Nigéria. Os outros são, em ordem: Síria, Egito, República Centro-africana (RCA), México, Paquistão, Colômbia, Índia, Quênia e Iraque.
Somando todos os países onde os cristãos são perseguidos, os pesquisadores registraram 3.641 igrejas e propriedades cristãs destruídas e 13.120 outras formas de violência contra os cristãos, como espancamentos, sequestros, estupros, prisões e casamentos forçados.
Portas Abertas também divulgou informações sobre o ranking na categoria “mortes por causa da fé” durante o período de 17 meses. Nigéria era o número 1, com um total de 2.073 mártires cristãos. Em seguida vem a Síria com 1479, RCA teve 1115, Paquistão 228, Egito 147, Quênia 85, Iraque 84, Myanmar e Sudão empatam com 33 cada e na Venezuela 26.

Do total de 5.479 cristãos mortos por sua fé ao redor do mundo, Nigéria, Síria e RCA são responsáveis por 85%. A média estimada de cristãos mortos por sua fé por mês no período de da pesquisa foi de 322.
Os pesquisadores fazem a ressalva que o número total de mártires é o mínimo, baseado em dados da imprensa mas poderia ser significativamente maior. “O aumento alarmante da violência contra cristãos na Nigéria nos últimos meses evidencia a falta de liberdade religiosa ali e os perigos diários gerados pelo grupo terrorista islâmico Boko Haram e outras organizações islâmicas violentas”, esclarece o presidente da Portas Abertas EUA, Dr. David Curry.

“Já está se transformando em um banho de sangue. Os cristãos do Ocidente deveriam ficar na brecha, com nossas orações e apoio”.

Muitos podem se surpreender por não encontrar a Coreia do Norte, que ocupa a primeira posição no ranking de 2014 da Portas Abertas. Embora seja a nação com maior perseguição contra os cristãos, está fora dos mais violentos.

“Quando se trata de contar o número de cristãos martirizados, é impossível obter um número exato para a Coreia do Norte”, analisa Jan Vermeer, que trabalha com Portas Abertas na região.

“Isto não é porque não existem cristãos sendo mortos por sua fé. Sabemos que milhares de cristãos estão passando fome, sede, sendo torturados no sistema prisional norte-coreano. Mas, devido a nossa incapacidade de obter dados precisos sobre o que ocorre naquela sociedade tão fechada, optamos por não divulgar o número total de mortes na Coreia do Norte”.

O fundador do ministério, Irmão André, comentou com preocupação o crescimento da perseguição dos cristãos. “A perseguição não está diminuindo. Em 2/3 dos países relacionados na Classificação acontece o oposto: ela só está aumentando…. Este aumento tem a ver principalmente com a crescente influência do Islã. Esse tipo de informação que a Classificação traz me preocupa, apesar de esse ser um bom meio de divulgar os pedidos de oração”, disse ele recentemente

Fonte: Gospel Prime

quinta-feira, 5 de junho de 2014

Pastor Pedro Gregório foi homenageado neste domingo Pelo dia do Pastor

Pastor Pedro Gregório foi homenageado neste domingo Pelo dia do Pastor

A Igreja Evangélica Assembleia de Deus do setor Ademir Ribeiro neste ultimo Domingo, 01 de Junho homenagearam o Pastor Pedro Gregório o atual pastor da igreja com mensagem e louvores de agradecimento pelos trabalhos que vem sendo realizado na igreja.

 E no final o cooperador Irmão Evaldo trouxe uma rápida mensagem para toda a igreja Com o tema “Para Deus nada é impossível” LC 1.37

 O pastor emocionado e quase sem palavras citou uma frase “aguenta coração”.

Leia abaixo qualidades de um pastor:

 Ser pastor é amar, ainda que o seu amor não seja correspondido.
Ser pastor é visualizar o que ninguém consegue ver e acreditar que sonhos podem se tornar realidade.

Ser pastor é abraçar o menino, já pensando no obreiro de amanhã!

Ser pastor é conversar com os anciões da igreja, mesmo que a história deles já tenha sido contada várias e várias vezes, e ter no olhar o por aqueles que já trilharam há muitos anos o seu caminho.
Ser pastor é apresentar sua ovelhinha ao senhor, tenra e pequena, sob o olhar emocionado dos pais.

Ser pastor é se despedir de um irmão querido, ovelha que cuidou com tanto zelo, mas que foi chamado novamente pelo senhor, chorar por ele e dizer: até breve amigo…

Ser pastor é estar no casamento, falando à noiva de branco, trêmula e emocionada, e ao noivo ansioso que segura a mão da amada, que a vida é bela, mas trará desenganos.

Ser pastor é sorrir quando o coração está chorando, é abençoar quando na sua própria vida só existem provas, é tentar secar as lágrimas da mãe desesperada que sofre com os filhos, ou aconselhar a esposa desiludida com o marido.

Ser pastor é ser cumprimentado na rua e ao mesmo tempo ver alguém disfarçando para não cruzar o olhar com o seu.


Ser pastor não é o título, é o homem que se torna a palavra que se vive todos os dias, as dificuldades que são superadas e os testemunhos que vão se formando.



http://ouropretocristao.com/wp-content/uploads/2014/06/SAM_6327.jpg


http://ouropretocristao.com/wp-content/uploads/2014/06/SAM_6350.jpg

http://ouropretocristao.com/wp-content/uploads/2014/06/SAM_6330.jpghttp://ouropretocristao.com/wp-content/uploads/2014/06/SAM_6344.jpg

Fonte:    Ouropretocristão

Marcha para Jesus em Belém reúne 300 mil pessoas

Marcha para Jesus em Belém reúne 300 mil pessoas
Marcha para Jesus em Belém reúne 300 mil pessoas

No sábado (31) aconteceu em Belém (PA) a 14ª edição da Marcha para Jesus. O evento atraiu cerca de 300 mil pessoas, fiéis evangélicos de diversas denominações que se juntaram para adorar e louvar ao nome do Senhor.

A Marcha começou às 15h na escadinha do cais da Estação das Docas, às 16 horas os fiéis iniciaram o percurso pelas avenidas Castilho França, 16 de Novembro, Tamandaré, Bernardo Sayão até chegarem ao Portal da Amazônia.

O trajeto foi animado por quatro trios elétricos: El Shaddai, Alegria, Semear e Mix de Adoração. Todos eles com bandas ao vivo e com pastores que pararam por alguns minutos para levantar um clamor pelos mais diferentes motivos.

O clima dos participantes era de alegria, jovens, crianças e idosos saíram de suas casas para adorar a Deus e declarar que a capital paraense é do Senhor Jesus.

Por volta das 19h iniciou-se as apresentações musicais com cantores evangélicos da região. Um grande palco foi montado para receber também pastores e autoridades locais que fizeram orações pela cidade e pelo Brasil.


Fonte; Gospel Prime

É Deus que opera através de mim, diz menina “milagreira”

Os pais afirmam que o primeiro milagre da menina aconteceu quando ela tinha apenas 51 dias de vida


É Deus que opera através de mim, diz menina “milagreira”
Foto: Paulo Mumia

O jornal americano “New York Times” noticiou no final do mês de maio sobre a pequena Alani dos Santos, uma menina de 10 anos que mora em São Gonçalo (RJ) e é conhecida por fazer milagres.

A mídia internacional apelidou a menina de “milagreira” por conta dos milagres que acontecem por intermédio de suas orações. Além do jornal americano, o jornal britânico “The Guardian” a rede de TV ABC (Estados Unidos) e a revista “Marie Claire” francesa também noticiaram sobre isso.

Nascida em lar evangélico, Alani tem o dom da cura desde quando nasceu, segundo o pai, Adauto, o primeiro milagre aconteceu quando a menina tinha apenas 51 dias.

“Uma moça com a barriga grande como a de uma grávida veio à igreja pedir ajuda. Fechei meus olhos, e algo dizia que não deveria orar por ela. Vi então a mãozinha da minha filha sobre a sua barriga. Chamei minha mulher, que estava na igreja com ela, e coloquei a bebê para tocá-la. Quando ela colocou a mão, a barriga murchou”, disse ele ao jornal O Globo.

Adauto e sua esposa, Sandra, estão à frente da igreja Missão Internacional de Milagres criada há um ano. Mas ele se converteu há 20 anos, depois de ser evangelizado por seu irmão. Adauto chegou a ser preso no Carandiru, em São Paulo, mas evita falar sobre seu passado com a imprensa.

“Já fui preso também, mas não gosto de trazer lembranças. Passado é passado”, disse ele que hoje mora com a família no Rio de Janeiro.

Alani participa dos cultos e tem a oportunidade de orar pelos enfermos todas as segundas-feiras. Ela canta, prega e ora, mas nega que o poder de curar as pessoas está nela.

“Não sou eu. É Deus que opera através de mim”, disse ela ao jornal Extra. Pessoas de todas as partes do mundo vão até ela em busca de cura, há casos de problemas que vão desde HIV até câncer e dores de cabeça. Todos recebem oração e muitos relatam que foram curados.

O pai de Alani deixa claro que sempre indica aos frequentadores que procurem ajuda médica e acredita que sua filha também se tornará uma médica. “Sempre falo para procurar um médico. Não tenho nada contra a medicina. Pelo contrário. Minha filha será médica”.

Os trabalhos de Alani na igreja não prejudicam sua infância, ela frequenta a escola e tem boas notas e como toda garota gosta de brincar, dançar e cantar. Ela também tem uma rádio online, a Pérola Kids, onde fala de assuntos ligados ao mundo evangélico.

Fonte: Gospel Prime
Ocorreu um erro neste gadget

sate da radio

sate da radio
"Evangelizando Povos e Nações"