chat da radio gospel hits brasil

Filme: "Renúncia, Suas escolha definem seu futuro"

domingo, 7 de agosto de 2011

MAGNO MALTA BENQUISTO

Em Brasília, senador recebe apoio até de vereador transexual

    O verador transexual Môa saiu mais uma vez em defesa dos ideais do senador Magno Malta, presidente da Frente Parlamentar Mista Permanente em Defesa da Família Brasileira, com relação ao tema da homofobia.
    Colegas de partido, Môa afirmou durante a apresentação da nova executiva regional do PR (Partido da República), realizada nesta segunda-feira, 1, em Vitória, Espírito Santo, que o Brasil não é um país homofóbico e que os casos de violência física contra homossexuais são isolados.
    “Já passamos da fase da violência física contra os homossexuais, existem casos isolados, mas a comunidade, mesmo com intolerância e discriminação, tem tratado o movimento LGBT dentro do debate político democrático”, esclareceu o vereador transexual.
    A reunião que apresentou a nova executiva regional do PR foi presidida pelo senador evangélico Magno Malta, que aproveitou para falar contra o Projeto de Lei 122, denominada ‘Lei Alexandre Ivo’ e que está com os dias contados e deve ter o texto mudado mais uma vez, segundo o senador.
   Segundo Malta a nova lei “vai tratar a intolerância e o preconceito no mais amplo sentido como crime. Pobre não pode ser discriminado pelo rico, o obeso não pode ser objeto de deboche, basta de atitude machista contra a mulher e temos que abolir de vez todo preconceito racial, religioso e de classe social do dia-a-dia do brasileiro”.
    O senador evangélico comparou o respeito com o amor colocando-os como sinônimos e disse estar convencido de que o termo “homofobia” foi banalizado.
    “Respeito e amor são sinônimos. Só podemos amar o próximo como a si mesmo respeitando o livre arbítrio de cada cidadão. Assim, estou convencido que banalizaram o termo homofobia e deixaram de foco a verdadeira raíz da discriminação e do preconceito. Respeito Môa como um irmão, do jeito que ele é, mesmo tendo opinião pessoal sobre o tema polêmico”, afirmou Magno Malta.
    O senador criticou também a decisão do Supremo Tribunal Federal, apontando para os índices de pesquisa obtidos pelo Ibope, que apontou que 55% dos brasileiros não aceitam a união estável de casais do mesmo sexo.
    Para Magno, houve um desrespeito com a família, ao se aprovar um texto polêmico sem antes consultar a opinião pública.

Fonte:  Creio
Ocorreu um erro neste gadget

sate da radio

sate da radio
"Evangelizando Povos e Nações"